terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Dois poemas de Heitor Saldanha


Adicionar legenda



Hoje enquanto tiver dinheiro
                                            beberei
Depois
           entregarei ao garçom
                                  meu relógio de pulso
                                    meus carpins de nylon
meus óculos de tartaruga (que nome bonito)
                         minha caneta tinteiro
e continuarei bebendo
                                  bebendo
                                  sem literatura
                                          sem poema
                                                  sem nada.
Só.
Como se o mundo começasse agora.
Estou nesses conscientes estados de alma
em que não posso me salvar
                                    e nem salvá-la.


& &  &


ANDAMENTO

De que estarei me despedindo hoje?
Há em mim uma clara ressonância de
                                                     despedida.
Mas não devo saber,
                              nem é preciso saber.
Creio que vim
                     pra dizer um dia
                                        na cara do mundo:
hoje estou me despedindo.
E as criaturas boas do meu sangue
                        abririam a boca
que lhes cortasse o ímpeto inexpresso.
Claro que estou me despedindo.
                Hoje sou mais criança do que nunca.

_____________

Heitor Saldanha (Cruz Alta 1910 - Porto Alegre 1986).
Poemas extraídos do livro A Hora Evarista, Instituto Estadual do Livro, Editora Movimento, Porto Alegre, 1974.

Desenho do escritor feito pelo grande artista plástico francês Michel Drouillon. Publicado no fascículo sobre o poeta da série Autores Gaúchos, do Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1984.


Depoimento do escritor José Louzeiro


Eis-nos frente a frente a um senhor poeta.
Um dos mais importantes que temos: Heitor Saldanha. Extremamente meticuloso e profundamente retraído, vemos Heitor Saldanha circunscrito na área daqueles poucos que desconfiam do que fazem e, por maiores que sejam os elogios ouvidos, preferem o aprofundamento no trabalho.
                        
                                    José Louzeiro, Jornal do Escritor, Rio de Janeiro, 1969.

3 comentários:

  1. Um ressonância da poesia de Fernando Pessoa, sua desesperança e profundidade, é o que me passam estes dois poemas.
    Um lirismo aceso, aberto, que me lembra, também, tua poesia.
    Excelentes!

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  2. Grande poeta, tão pouco visitado, a não ser em espaços tão raros como este...

    ResponderExcluir
  3. O Heitor é um senhor poeta.
    Quando eu for morar na ilha deserta, certamente ele será um dos poetas que levarei.
    Em situação de naufrágio, a gente só pode pegar o indispensável, coisas pra sobrevivência, e olhe lá. E quando não é naufrágio, também.
    O Heitor vai junto comigo em qualquer caso.
    Tenho saudades dele, irmão mais velho, pessoa da maior qualidade. Um dia ele e sua lira serão reconhecidos como devem.

    Fico feliz com tua visita. Obrigado pelas palavras e pela presença!

    Um abraço.

    JF

    ResponderExcluir