sábado, 18 de setembro de 2010

Escritores sem leitores

Jorge Adelar Finatto


Escrever pra quê? Será que ainda existem leitores no mundo? Onde estarão, em que escondidas bibliotecas, em que salas e quartos solitários e pouco iluminados resistirão?

A impressão é que, a cada dez novos escritores que surgem, aparece apenas um leitor. As estantes das livrarias estão repletas de livros que ninguém lê. Todos os dias novos títulos vão somar-se ao mar-oceano existente. Quem lê tudo isso?

Às vezes desconfio que tem gente que vai à livraria, compra sua sacola de livros, mas não lê. O livro como objeto decorativo, com poder de ostentação de leituras não acontecidas. Será?

Então a situação é a seguinte: pra salvar os escritores do risco de extinção, de hoje em diante todos vão ser também leitores. Esse o compromisso de cada escritor para a preservação da espécie.

Coisa triste é a criatura escrever, no rigor do esforço e no escasso da vida, e ninguém ler. Quem não precisa de um ora-veja nessa existência, um reconhecimentozinho? Ah, não, ninguém quer saber!

Eu sou solidário com os sem-leitores porque faço parte dessa multidão.

Dia desses um colega blogueiro me contou  que está querendo  pagar alguém pra ler as suas mal-traçadas. Ah, não!  Não podemos permitir que a sombra do desespero tome conta. Então, agora estou visitando a ilha do colega todos os dias.

Tenho visto muitas ilhas desertas, abandonadas taperas virtuais, mostrando que um dia houve vida ali. É duro.

Acredito que os livros nunca vão morrer. São objetos perfeitos na forma e carregam em si o espírito  humano. Mas e os escritores e blogueiros? Sobreviverão nessa penúria de leitores?


Não sei, não sei.

________

Foto: J. Finatto

4 comentários:

  1. Adelar, existe algo de desbravador em cada um que se dedica a lide literária.
    Primeiro ter a cara e a coragem de expor sua intimidade aos outros, receber sua crítica construtiva ou não. Ou o pior, a indiferença.
    No entanto, a senha é esta. Interagindo com outros escritores, no mínimo, eles terão alguma curiosidade sobre nossa produção.
    E poderão lê-la ou não. Indicá-la a outros amigos.
    É assim a roda da vida, assim como no mundo das Artes.

    Blogueiro abraço.

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  2. Ricardo,

    nada como ter um poeta e amigo blogueiro como tu pra compartilhar essas coisas.

    Um grande abraço.

    JF

    ResponderExcluir
  3. Junto-me a Ricardo Mainieri, poetrixta-poeta, pra te dizer que li, com muito gosto, os teus escritos. E na roda da vida, acresci-me...

    Jussara Midlej
    fractaisdemim.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Jussara. Um grande abraço. JF

      Excluir