sábado, 10 de março de 2012

O escravo e sinhá

Jorge Adelar Finatto


Escutei o samba no rádio. Era naquela hora da tarde em que olhamos a janela sonhando fugir para algum lugar distante.

O samba Sinhá, do mais recente cd de Chico Buarque de Holanda, conta a história de um negro escravo que é levado ao tronco pelo "feroz senhor de engenho", sob a acusação de olhar a sinhá despida tomando banho no açude. É o próprio escravo quem narra o fato.

Num lamento, ele nega a imputação que lhe é feita pelo senhor, "Sou de olhar ninguém/Não tenho mais cobiça/Nem enxergo bem".

O senhor de escravos, de olhos azuis, decide furar as vistas do pobre e indefeso homem.

Na última parte do canto, quem fala é o cantor, dizendo-se atormentado, "Herdeiro sarará/Do nome e do renome/De um feroz senhor de engenho/E das mandingas de um escravo/Que no engenho enfeitiçou Sinhá".

Pelo que sugere, a relação entre escravo e sinhá foi além de um simples olhar.

Trata-se de obra-prima de Chico Buarque e João Bosco, com texto do primeiro, que resgata um bárbaro evento (fictício ou real) do período da escravidão no Brasil. Um doloroso retrato da sociedade escravocrata.

Como obra de arte, toca fundo a nossa emoção e nos faz pensar. Não será esta capacidade de nos tirar da inércia e da indiferença a virtude superior da arte?

Sinhá é um samba de alta eficácia literária, musical e humana, que resume um tratado de sociologia e, de quebra, nos faz chorar.


Sinhá

  Chico Buarque e João Bosco

Se a dona se banhou
Eu não estava lá
Por Deus Nosso Senhor
Eu não olhei Sinhá
Estava lá na roça
Sou de olhar ninguém
Não tenho mais cobiça
Nem enxergo bem

Para que me pôr no tronco
Para que me aleijar
Eu juro a vosmecê
Que nunca vi Sinhá
Por que me faz tão mal
Com olhos tão azuis
Me benzo com o sinal
Da santa cruz

Eu só cheguei no açude
Atrás da sabiá
Olhava o arvoredo
Eu não olhei Sinhá
Se a dona se despiu
Eu já andava além
Estava na moenda
Estava para Xerém

Por que talhar meu corpo
Eu não olhei Sinhá
Para que que vosmincê
Meus olhos vai furar
Eu choro em iorubá
Mas oro por Jesus
Para que que vassuncê
Me tira a luz

E assim vai se encerrar
O conto de um cantor
Com voz do pelourinho
E ares de senhor
Cantor atormentado
Herdeiro sarará
Do nome e do renome
De um feroz senhor de engenho
E das mandingas de um escravo
Que no engenho enfeitiçou Sinhá


__________________

Cd Chico. Chico Buarque de Holanda. Biscoito Fino, 2011.

2 comentários:

  1. Caro Jorge
    Hoje descobri teu blog e fiquei encantada com teus escritos, são de uma sensibilidade infinita. Teu texto sobre a música Sinhá despertou a curiosidade em conhece-la e assim me emocionar. Um abraço.

    Ana Luiza Fitz

    ResponderExcluir
  2. Ana Luiza.

    Fico feliz com a tua presença e pelo comentário, que é um senhor estímulo para o trabalho.

    A porta está sempre aberta.

    Um grande abraço.

    JF

    ResponderExcluir