quarta-feira, 25 de abril de 2012

A fala do Arlequim

Jorge Adelar Finatto

photo: j.finatto


Querer eu quero, e o querer é tudo. Cumpro os regulamentos do invisível. De silêncio em silêncio, as difíceis passagens. Eu sinto no calado. Os comedimentos. A pessoa sonhada tem certos jeitos. De não se deixar ver, nem tocar, nem sentir, nem sonhar. Os caprichos do ser amado.

As magnólias me doem no inverno de tão belas. Eu lírico. Os tormentos do amador. A musa é do tipo nem aí. Nem sabe de mim.

Arlequim ao relento eu sou. Os rigores da lira. Vivo no austero. Sinto no meu segredo. Amador. Ela não me vê. Eu a vejo. A musa é só o motivo. Eu sou o seu adamastor.

O que dorme no banco da praça. O que mora dentro do casaco e da manta. O do chapéu ridículo. O que fala algaravias no café. O que não suporta gritos. O que senta no cais a olhar as gaivotas.

Caminho nos meus penhascos. Ruínas são coisas que habitam no íntimo da pessoa. O que se fala e o outro não entende. Um diz aurora, a musa entende anoitecer. As palavras, tonterias.

Sentimento é o ora-veja da vida. Cultivo distância, alimento paciência.

O ser sonhado tem certos olhares. A musa vive num jardim secreto que eu mesmo inventei. A trança de linho desce pelo muro escarpado do castelo. Eu romântico. A vida gira nos esconsos. Os trapos coloridos do meu coração ao vento.

Amador, amador.


________________

Photo: Cena veneziana.
Texto publicado em 30 de outubro, 2010.

2 comentários:

  1. alvarofabris@hotmail.com26 de abril de 2012 22:25

    É umm prazer ler algo assim. O velho e querido amigo vai entrando cada vez mais...e produzindo cada vez mais beleza.

    ResponderExcluir
  2. Meu estimado Álvaro.

    Ao teu comentário e à tua presença só posso responder assim: com afeto e gratidão.

    Um grande abraço, meu amigo.

    JF

    ResponderExcluir