segunda-feira, 30 de julho de 2012

Mario Quintana, 106 anos

Jorge Adelar Finatto

photo: Moacir Gomes, 1966

Ser poeta é uma maneira de ser e não de escrever. O leitor de poemas é um poeta sem saber.¹
Mario Quintana

Atravessei o corredor que ligava a redação da Folha da Tarde com a do Correio do Povo, os dois jornais da Companhia Jornalística Caldas Júnior, hoje extinta. Contornei o vetusto elevador, cuja porta se abria que nem uma sanfona metálica, entrei no Correio em busca do meu entrevistado. Devia ser 3 da tarde, ele ainda não tinha chegado. A mesa do poeta estava coberta de livros, revistas, jornais, cartas. Em 1982 eu era um jovem repórter da Folha.

No alto da parede, à direita da ampla sala, a foto ampliada (acima) que eternizou o encontro daquele grupo de escritores, em 1966, na cobertura cultivada com plantas e pássaros do cronista Rubem Braga, no Rio de Janeiro. Da esquerda para a direita: Drummond, Vinicius de Moraes, Manuel Bandeira, Quintana e Paulo Mendes Campos.

Enquanto aguardava Mario Quintana, conversei com o jornalista Paulo Fontoura Gastal, outro notável daquela redação. O Correio da época era dos melhores jornais que havia no Brasil. A edição dominical (a principal da semana) muitas vezes superava em qualidade jornais do centro do país, como Jornal do Brasil, O Globo, Folha de São Paulo e Estadão. 

Quintana viveu a maior parte da vida em quartos de hotel, o mais lembrado deles Hotel Majestic (depois transformado na atual Casa de Cultura Mario Quintana), na Rua da Praia, não distante do portão do cais de Porto Alegre. Ele era um caminhante contumaz da cidade velha, junto ao Guaíba. Sempre me pareceu que andava como um veleiro no rio, a cabeça levemente erguida, olhar alheio ao movimento, deslizava calmamente, parecendo flutuar.

Naquele nevoeiro
Profundo profundo...
Amigo ou amiga,
Quem é que me espera?²

Nasceu em Alegrete em 30 de julho de 1906, há 106 anos, e morreu em 05 de maio de 1994, em Porto Alegre. É uma das principais vozes da poesia brasileira e um dos importantes tradutores que tivemos. Pela Editora Globo, verteu para o português obras do inglês e do francês, de autores como Marcel Proust, Virginia Woolf, Aldous Huxley, Honoré de Balzac, Voltaire, Guy de Maupassant, Somerset Maugham, entre outros.

O poeta chegou à redação trazendo a sacola que costumava carregar naquele tempo. Sentou-se e pediu-me que lesse as perguntas, cinco ou seis, que tinha feito. Pegou a anotação e começou a responder por escrito, à mão, solícito e bem-humorado, enquanto conversávamos. Com as respostas, voltei para a Folha e fiz a matéria. Infelizmente, tempos depois extraviei o manuscrito.

Em certas tardes perdidas, no café do jornal, vi Mario Quintana sentado diante da indefectível taça de café preto, com o quindim amarelo no pires. Lia alguma coisa, livro ou jornal, ou simplesmente olhava para algum ponto indefinido, caminhando dentro de si mesmo. Nunca me atrevi a interrompê-lo naqueles momentos, que podiam durar uma hora, às vezes mais.

Não tinha pressa de viver nem de escrever. Vivia, escrevia. O primeiro livro, A rua dos Cataventos, veio a lume em 1940, revelando um poeta senhor do ofício. O tempo foi seu aliado e concedeu-lhe numerosos dias para construir a rica obra que deixou.

Uma vez disse: O proletário é um sujeito explorado financeiramente pelos patrões e literariamente pelos poetas engajados. Achava que se um poeta quisesse mudar o mundo deveria candidatar-se a um cargo público, ao invés de escrever versos que os mais pobres não leriam por falta de tempo ou por não saber ler. É verdade que Castro Alves influiu na abolição da escravatura. Mas acontece que Castro Alves era genial e nós temos apenas algum talento

Um homem que viveu em estado de poesia, um hóspede solitário a vagar pelas ruas de Porto Alegre, cidade que tanto amou. Inquilino do mistério, a simples presença de Quintana, entre nós, foi um acontecimento luminoso. Um ser raro, desses que aparecem de vez em quando para nos fazer encontrar e sentir um pouco de beleza.

Não constituiu uma família tradicional, com mulher e filhos, viveu só. No entanto, conquistou uma numerosa e cálida família entre seus leitores e amigos. Nos últimos 20 anos de existência, foi celebrado como grande poeta no Rio Grande do Sul e no Brasil. Teve a merecida ventura de ser reconhecido em vida.

_______________

¹ Entrevista concedida a Vitor Edézio Borges, jornal MJ, da PUC/RS, em 1978.
² Primeiros versos do poema O cais, do livro O aprendiz de feiticeiro, incluído na antologia Poesias, Editora Globo, Porto Alegre, 1977.
³ Entrevista a Geneton Moraes Neto, publicada no caderno Ideias do Jornal do Brasil, em 30 de julho de 1988.

6 comentários:

  1. inquilino do misterio é lindo demais, adelar! abs.

    ResponderExcluir
  2. ÁLVARO ALVES DE FARIA1 de agosto de 2012 17:05

    Belíssima homenagem que só poderia ser escrita por um poeta como você. Palavras sentidas. Texto que a poesia de Maria Quintana agradece. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Caríssimo Álvaro.

    Vindas de ti, poeta e jornalista entre os melhores que existem no Brasil, essas palavras têm um enorme significado. Vão ficar sempre guardadas.

    Feliz, agradeço de coração.

    Um grande abraço.

    JAF

    ResponderExcluir
  4. Beleza, Adelar.

    Alvaro Fabris

    ResponderExcluir
  5. Um grande abraço, Álvaro, e obrigado pela visita.

    Adelar

    ResponderExcluir