terça-feira, 1 de julho de 2014

A pele cor-de-rosa da chuva

Jorge Adelar Finatto
 
photo: jfinatto


O ser humano tem direito constitucional de andar nas nuvens.
 
A sentimental algaravia.
 
Ah, um dia livre por aí. O que ela mais gosta.

As horas difíceis, cotidianas, que a vida tem. Poucos momentos de gozo. Vida bonsai. Um ermo. Os medos, medo, medo.
 
Um dia se deu conta de que. Olhou no espelho, estranhou. Quem é essa? Deus!
 
Vivia no austero, secreto, precavido jeito.

Desde que ele se foi, enfim, aquela madrugada. (Por que tinha de ser justo de madrugada?) Adeus, adeuses. Casa abandonada. Depois só quireras, uns fanicos de dar dó, uns cacos quebrados.
 
Ninguém mais. Ninguéns.
 
Dia feriado, sábado, domingo, aniversário: nenhum fio de luz embaixo da porta, escuridão completa. Ninguém vem, nunca nada.

Coração solitário no meio dos corvos vorazes.
 
Noites em claro, sede. Janela aberta sobre a cidade e seus neons. Vazio. Invoca rezas antigas, banho de madrugada, copo dágua gelada, dorme diante da tv.
 
Quem é essa?
 
A solidão do batom pintada na cara. Ocos dias de viver. Só durezas.
 
Ah, bem-vindo, vento de julho. Na chuva sente-se protegida, agasalhada. Sai a divagar caminhos molhados. Os longes habitam a sua alma.

Peixes coloridos soltos no ar.

Sopram presságios no voo de algodão das gaivotas.
 
Moças saltam das janelas, invadem as ruas como ela. Anêmonas. Saias flutuam. Sombrinhas navegam no vento.
 
A esperança. Ninguém pode viver sem, nem ela nem.
 
Se solitude fosse abraço.

Instantes migalhas de vida são. Breves eternidades.

Venham os dias. O amanhecer sobre as montanhas.
 
Venha esse novo amor de onde vier.
 
Felicidade é relâmpago. Farândola no coração.

A pele cor-de-rosa da chuva.

Inverno, invernos.
 
_______________
Texto revisto, publicado antes em 9 de abril, 2010.

2 comentários:

  1. Texto genial... mas é preciso dizer:
    que foto M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A!!
    Parabéns, Jorge.

    Beijo,
    Bruna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu o incentivo, Bruna. É sempre importante e bem-vindo. Um abraço!

      Excluir