quinta-feira, 12 de julho de 2018

O caso da Enciclopédia Barsa

Jorge Finatto

photo: jfinatto
 
COMO A CASA da serra está cheia de livros, um dia desses fui aconselhado a me desfazer ("desapegar") daqueles que não interessam mais (livros há muito lidos, esquecidos, que não pertencem ao grupo dos "essenciais").
 
Providência, aliás, que tomei há um ano, separando cento e alguns livros para doar. Só que ainda não tive coragem, porque a cada olhar retiro os que, pensando bem, merecem ficar. E, assim, cada vez retiro alguns, diminuindo a pilha. 
 
Sabendo da minha dificuldade em "desapegar", alguém da família teve a gentileza de retirar de uma estante, e acomodar com carinho, a velha Enciclopédia Barsa. Quando, ao regressar de viagem, entrei no escritório, dei com aquele quadro (para mim) dantesco.
 
Pra quem não sabe, as enciclopédias eram o Google de antigamente. A elas se recorria para pesquisar e realizar estudos nas mais diversas áreas do saber. Eu comprei a Barsa com sacrifício, pagando em prestações. Além dos volumes, com bonita encadernação, havia os livros do ano que traziam as atualizações.

Aquela enciclopédia, há quase quarenta anos, me deu esperança de dias melhores. Acreditava, como ainda acredito, no estudo e no conhecimento como ferramentas para construir caminhos.

Como poderia me desfazer de algo com tanto significado? Resumo do caso: pedi que recolocassem a Barsa no lugar. Não estou em condições de fazer o desapego...

Numa espécie de codicilo verbal, disse que, quando fizer a passagem, podem fazer da Barsa o que quiserem. Mas, por enquanto, ela fica, assim como os demais livros que me ajudaram e ajudam a viver. Porém deixo claro: se vier um pedido de doação para escola ou outra instituição, farei com prazer.