quarta-feira, 3 de julho de 2013

Ortega y Gasset e as Meditações do Quixote

Jorge Adelar Finatto

photo: José Ortega y Gasset

Cada dia menos me interessa sentenciar; a ser juiz das coisas vou preferindo ser seu amante.
Ortega y Gasset, Meditações do Quixote*
 
Procurava há muito tempo o livro Meditações do Quixote (Meditaciones del Quijote), do filósofo espanhol José Ortega y Gasset (1883-1955). Trata-se de uma das principais obras de filosofia do século XX. Nela, o autor concebe um novo filosofar, um pensamento espiritual voltado ao dia-a-dia das pessoas. Os horizontes de uma nova maneira de pensar (e sentir) a existência estão abertos nesta obra.

"Um filosofar que nos faz cúmplices de nossa circunstância; que começa por descobrir a verdade sob as plantas de nossos pés, conciliando o universal com o ponto de vista de cada um; obrigando-nos a guardar estrita fidelidade à nossa personalíssima vivência das coisas, se quisermos ingressar no mundo dos valores. Meditando despretensiosamente sobre o amor, sobre um passeio no bosque, Ortega nos conduz, sem percebermos, aos meandros de toda uma teoria da realidade e do conhecimento, de toda uma metafísica, que seria conhecida, mais tarde, como a metafísica da razão vital.", está dito, em bela síntese, na apresentação do livro.

Eu sou eu e minha circunstância, ensina o filósofo em suas Meditações (pág. 52).

A minha procura foi, durante anos, infrutífera. Adquiri e li outros volumes de Ortega y Gasset, um filósofo que parece falar direto ao coração e não apenas à razão, para quem a filosofia é a ciência geral do amor (pág. 43).

Um pensador, enfim, que consegue falar língua de gente. Faltava-me justamente o primeiro livro, o de estréia, Meditações do Quixote, publicado em 1914, quando o autor contava só 31 anos!, e que se tornou clássico.

Num dia de março passado, estava na livraria que costumo freqüentar em Porto Alegre. Resolvi fazer novamente a famosa pergunta: acaso teria as Meditações do Quixote? A moça consultou o oráculo eletrônico. Até que veio a inefável resposta: posso pedir para nossa sede em São Paulo, lá temos um exemplar, e é único. Fiz a reserva imediatamente, ela telefonou na minha frente solicitando para separarem e mandarem o livro. Quase não acreditei que chegara o dia.

Dias depois voltei para buscar a encomenda. Com ele nas mãos, ainda no balcão, um cidadão surgiu do nada, aproximou-se com olhar de corvo, dizendo que o compraria de mim pelo preço que eu quisesse. Pensei em dar a única resposta cabível no caso: sai daqui, urubu! Todavia, me contive.

- Não é possível. Este livro vai ser doado para a biblioteca de Passo dos Ausentes, assim que eu terminar de ler. Não há dinheiro nisso. Há amor, paixão intelectual, e muitos anos de espera.

Só depositei o exemplar sobre a mesa do café da livraria quando ele sumiu da minha vista, qual nuvem negra. Conheço o tipo, são capazes de qualquer coisa, todo cuidado é pouco...

photo: j.finatto

Comecei a folhear a obra com o prazer que só esses momentos reservam. Com espanto verifiquei o ano da edição: 1967. Mas como? Sim, o volume hibernou em insondáveis desvãos por quase 50 anos até chegar em minhas mãos.

A livraria em questão não trabalha com livros usados, era exemplar novo (velho embora), nunca tivera um dono. Dormiu por décadas o sono das páginas fechadas. Habitou estantes, viveu esquecido, fez uma longa viagem de São Paulo a Porto Alegre, sem sequer sonhar que seu destino seria morar um dia em Passo dos Ausentes.

São misteriosos os caminhos que nos levam a um livro raro. Nesse caso, como em outros, a persistência e a esperança me valeram.

Pra completar, a obra é comentada pelo também filósofo e notável estudioso do pensamento de Ortega y Gasset Julián Marías.

Gosto tanto do livro que não sai mais de perto de mim, está comigo aonde eu vou, no escritório, na mesa de cabeceira, dentro do alforje, nas caminhadas polifônicas e em viagens. Andamos pelo mundo juntos agora.

A filosofia de Ortega y Gasset é amiga da claridade, amiga das pessoas, amiga da vida. Um pensamento solidário com nosso estar no mundo, sem saltos mortais na obscuridade e no desespero. Seus mares e céus profundos guardam tesouros de luz.

Diz o autor nas páginas iniciais das Meditações:

- O amor é um divino arquiteto que baixou ao mundo - segundo Platão, "a fim de que tudo no universo viva em conexão". A inconexão é o aniquilamento. O ódio fabrica inconexão, isola e desliga, atomiza o orbe e pulveriza a individualidade. pág. 38 

- Não pretendo que esta atividade seja reconhecida como a mais importante do mundo; considero-me justificado perante mim mesmo ao advertir que é a única de que sou capaz. O afeto que a ela me move é o mais vivo que encontro em meu coração. Ressuscitando o lindo nome que usou Spinoza, eu o chamaria amor intellectualis. Trata-se, pois, leitor, de ensaios de amor intelectual. pág. 35

- Vai, pois, fluindo sob a terra espiritual desses ensaios, às vezes agreste e áspera, - com surdo, brando rumor, como se temesse ser ouvida demasiado claramente - uma doutrina de amor. pág.36

- Nestes ensaios eu quisera propor aos leitores mais jovens que eu, únicos aos quais posso, sem imodéstia, dirigir-me pessoalmente, que expulsem de seus ânimos todo hábito odiento, e aspirem fortemente a que o amor volte a gerir o universo. pág. 39

Vou saboreando cada frase, buscando alimento no texto do mestre.

Um renascer do espírito é o que encontramos neste livro. Uma filosofia que nos leva ao encontro da vida ao contrário de nos esconder dela.

Uma celebração da palavra bem escrita, bem pensada, bem sentida, comprometida com o homem no mundo (o seu mundo), e não perdido entre as estrelas, embora com elas sonhando. Ler estas Meditações do Quixote, e levá-las em conta, é uma vigorosa experiência de vida.

_______________

*Meditações do Quixote. José Ortega y Gasset. Comentários por Julián Marías. Livro Ibero Americano Ltda. Tradução de Gilberto de Mello Kujawski. São Paulo, 1967.
 

2 comentários:

  1. Adelar, acredito que posso imaginar o que te interessou tanto neste filósofo espanhol. Além de tornar a filosofia descomplicada, ele é ótimo escritor com muita poesia implícita em suas linhas.
    Valeu a compra. Tb. aprecio muito os livros e discos raros.
    Me soam como um prêmio, um bálsamo para a alma.

    Abraço.

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu considero o Ortega y Gasset não apenas um grande filósofo, um dos maiores que o mundo já conheceu, como um homem de bem, e um grande poeta também. Ele usou a inteligência a favor da vida, das pessoas comuns.

      Conflitos como a 2ª Guerra Mundial não teriam acontecido se as pessoas que fizeram a guerra tivessem lido e refletido sobre o que ele pensou e escreveu, como essa questão da conexão com o próximo.

      Um abraço, Ricardo. Vale!

      Adelar

      Excluir