terça-feira, 27 de abril de 2021

Ocaso

 Jorge Finatto

photo: jfinatto

Um belo pôr do sol iluminou a copa dos pinheiros, dos plátanos e dos telhados, hoje, aqui na montanha. Vermelho suave no início, depois rosicler, viva aquarela. 

Uma pintura delicada num tempo desesperado. Um concerto de trompa alpina a céu aberto. Um mergulho na maravilha. 

Clareira de luz em meio à treva absoluta.

segunda-feira, 19 de abril de 2021

Clorofilizemo-nos

 Jorge Finatto

bergamotas. foto: jfinatto


A tentação da carne leva os mortais a cometerem loucuras. Apaixonados e obsedados, esquecem todo o resto e submergem na vertigem luxuriante dos sentidos. Estremecem, deliram, lambuzam-se. Depois, prostram-se saciados diante do prato vazio.

Eu parei de comer carne. Acolhi o mantra: não matarás do reino animal para teu sustento. Sublimei a tentação, tornei-me um ser frugal. Clorofilizei-me. 

Inaugurei uma nova dieta: verdes alfaces, tenros chuchus, meigas ervilhas-tortas, nédias melancias, socados abacates, recatadas couves-flores, risonhas bergamotas. Sem esquecer o inefável melão gaúcho, as inolvidáveis morangas e as voluptuosas batatas-doces.

Substituí o verbo matar pelo plantar. Troquei os rebanhos pela horta; o peso pela leveza.

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Todos os mortos

 Jorge Finatto

Em breve estaremos todos mortos e com saúde. 

Esta parece ser a lógica negacionista que renega medidas recomendadas por médicos e cientistas para enfrentar a covid-19. De tanto não fazer o que precisa ser feito, o Brasil está com transmissão e óbitos em níveis elevadíssimos. Só nas últimas 24 horas morreram 4.249 pessoas, conforme dados oficiais, alcançando o total de mais de 345 mil mortes.

Os números terríveis saem todos os dias à tarde, estragando as restantes horas do dia. E dizer que com lockdown ou, pelo menos, distanciamento social rígido por cerca de 21 dias, fornecendo às família necessitadas auxílio para manter-se em casa, milhares de vidas poderiam ser salvas, como ocorreu recentemente em Araraquara e Manaus.

Eu já vi muita estupidez na vida. Nada se compara, contudo, ao que acontece hoje no país. O mau jeito dos governantes em lidar com a crise sanitária, com poucas exceções, e a falta de união nacional em torno do combate à hecatombe produzem efeitos nefastos.  

Quem ainda não perdeu um parente, um amigo ou conhecido? Quem, sendo pessoa razoável, não teme por sua família e por si? Quem não sofre com o noticiário vertiginoso dando conta de hospitais superlotados, unidades de terapia intensiva esgotadas, médicos e enfermeiros em prolongado estresse diante dos casos que são obrigados a ver e administrar todos os dias? 

Quem não se sente abalado ao saber das mortes sem oxigênio, sem que o doente (isolado) tenha um familiar ou amigo a quem dar a mão?

Já se fala que o número de mortos poderá superar o de nascimentos no Brasil.

Por que a razoabilidade foi expulsa do nosso país? Por que esse bate-boca diário e infernal sobre política e temas tão mesquinhos que em nada ajudam? Em que momento nos tornamos isto, um lugar onde a  morte e o sofrimento invadiram o cotidiano de forma avassaladora? O que foi feito de nós?

Que triste mensagem estamos transmitindo ao mundo! Que assustadora visão: a imensa caravana de mortos indo para os cemitérios! 

A percepção negacionista da realidade e seu discurso venceram entre nós. Resta saber quantas pessoas mais perderão a vida devido ao obscurantismo. Porque hoje, no Brasil, o que mais se faz é contar e numerar cadáveres, esquecendo-os em seguida.

terça-feira, 6 de abril de 2021

Ressuscita-me

 Jorge Finatto

photo: jfinatto


Durar não é viver. Viver não é só durar. É ser um pouco feliz a cada dia. É pedir perdão antes que os laços se cortem para não haver remorsos depois. É abrir o coração antes que as pessoas desapareçam de nossas vidas e só restem nos retratos. Antes que nós sejamos apenas memória para os outros.
É preciso ter uma nova oportunidade para acertar as coisas, os sentimentos. Ver a casa cheia e feliz na Manhã de Páscoa.

Ouvir as conversas, os risos. Mas hoje isto não é possível; quem sabe no ano que vem? Poder ficar em paz no Domingo de Páscoa longe de tanta tristeza.

E levar no coração essa vaga esperança de Ressurreição, como a do Cristo.
Porque uma vida só é pouco.
_______________
Como diz Maiakóvski neste poema que é um grito humano em meio à solidão:
"Não vivi até o fim o meu bocado terrestre.
Sobre a Terra
não vivi o meu bocado de amor.
(...)
Ressuscita-me,
nem que seja só porque te esperava
como um poeta,
repelindo o absurdo quotidiano!
Ressuscita-me,
nem que seja só por isso!
Ressuscita-me!
Quero viver até o fim o que me cabe!"
Maiakóvski*
________
*O poeta-operário. Antologia poética. Vladímir Maiakóvski. pp. 154-156. Tradução e estudo biográfico de Emílio Carrera Guerra. Cìrculo do Livro S.A., São Paulo, 1991.
photo: jfinatto