segunda-feira, 23 de maio de 2022

O fusquinha azul de Mujica

 Jorge Finatto 


grafite de Montevideo. photo: jfinatto

Os grafites das ruas de Montevideo sempre nos dizem alguma coisa interessante. É uma cidade onde as pessoas trabalham, pensam e sonham enquanto tomam mate nas casas,  calles, praças e calçadas da beira do Rio da Prata. 

É uma cidade que gosta de livros, música, pintura, cinema, parques, teatro, etc. E de gente, deveras. Pouca ostentação de riquezas particulares, pouca gente vivendo na miséria. Em suma, um lugar onde sobriedade e bom senso parecem andar juntos.  Haverá gente má por lá? Possivelmente. Mas em modesta proporção. Não se criam por muito tempo. Ao contrário de países cercanos, o Uruguai aprende com seus erros e avança. 

Li que um sheik árabe ofereceu, anos atrás, um milhão de dólares para comprar o velho fusquinha azul de José "Pepe" Mujica, que ganhou o veículo de um grupo de amigos que fez uma vaquinha para adquiri-lo. O ex-presidente uruguaio, entre 2010 e 2015, disse que não, obrigado, estava bem assim, vivendo modestamente na sua chácara, a 20 km de Montevideo. Nela compartilha a vida simples com gente simples como ele. Ali ele construiu uma escola agrária para os jovens do lugar e cultiva com suas mãos flores e hortaliças aos 87 anos.

Me gusta o Uruguai. Tão diferente do Brasil. Quando estou lá tenho a impressão de que é mesmo verdade que a Terra gira em torno de si e do Sol. Mas o faz de um jeito sereno e civilizado, de tal modo que não caímos uns sobre os outros nem os edifícios desabam sobre nossas tontas cabeças. Também sou levado a acreditar que a Terra não termina num abismo mas vai se arredondando numa curvatura lenta que faz com que no Japão seja dia enquanto em Montevideo é de noite e vice-versa. 

Gosto muito das ruas montevideanas. Onde andou e viveu o Conde de Lautréamont (Isidore Ducasse), antes de ir para a França. E penso que só mesmo tendo nascido naquela cidade poderia conceber os Os Cantos de Maldoror, essa obra genial.

Acho muito bonito as crianças irem para as aulas, nas escolas públicas, com seus guarda-pós brancos e lenços azuis. Pode-se andar à noite sem medo e pessoas velhas costumam sair para jantar fora, a pé, sem ser molestadas. 

De fato, o Uruguai é um país muito estranho para quem vive na "normalidade" brasileira. Deve ser efeito do mate.

domingo, 22 de maio de 2022

Dia de outono

 Jorge Finatto

photo: jfinatto

Tempo de sol com frio.
Pinhão na chapa, gato pela casa, livro na mão,
janela aberta, geada no quintal,
tristeza guardada na gaveta.
Óculos de tartaruga.
Esse olhar o mundo que me encanta.

segunda-feira, 2 de maio de 2022

À la recherche de la madeleine perdue

 Jorge Finatto

photo: Lucas


Às vezes sou obrigado a permanecer alguns dias em Porto alegre. Descer a Serra para a cidade grande foi desde sempre uma imposição cruel. E tudo começou com a morte súbita da avó que me criou até os 6 anos. Com o desaparecimento dela a casa onde vivíamos - velha casa de madeira - desmoronou. Tive de ir morar em Porto Alegre. A vida mudou completamente. Vivi em várias cidades depois em razão da profissão.

Nunca deixei de ser um guri do interior. Não me entendam mal: devo muito a Porto Alegre e sou agradecido por tudo que ela me proporcionou. Mas jamais me abandonou a sensação de exílio.

Um dia retornei à Serra e nela ergui minha nova casa sobre uma montanha. Uma volta à origem telúrica. Mas não no tempo porque o tempo passado não volta nem se recupera. Recorda-se.

Na sexta-feira à noitinha saí do apartamento e estava caminhando na Av. Nilo Peçanha, perto da Praça da Encol, em direção ao café. Estava com o filho Lucas, o caçula, que me chamou a atenção para os pinhões caídos na calçada e para uma pinha no alto de um pinheiro que existe ali na esquina. Todos os anos, nessa época, as pinhas amadurecem e delas saem os pinhões. Pinhão assado na chapa do fogão a lenha ou na brasa é uma delícia. É alimento ancestral da gente que povoou o Rio Grande do Sul, típico da Serra gaúcha.

Pedi ao Lucas que fizesse uma foto. Quem diria: a araucária, rara nas cidades grandes, em plena avenida movimentada, me trouxe essas recordações e pensamentos. O serrano que há em mim respirou fundo. Uma espécie de madeleine de Proust.*

_____

*Escritor francês Marcel Proust, autor da monumental obra "Em busca do tempo perdido".

sábado, 30 de abril de 2022

Dádiva

 Jorge Finatto

photo: jfinatto. Lago Lugano. Suíça


Cada dia vivido é uma dádiva. Por mais que o medo se esforce em jogar tudo no lixo.
As flores no meu jardim são uma prova (a mais) de que Deus existe. E que grande artista Ele é!

Ele me concedeu esse tempo de bônus.
Não tenho um segundo a perder. O medo que vá fazer vítima noutra galáxia.

quinta-feira, 28 de abril de 2022

Resenha de outono

 Jorge Finatto



Nos últimos dias, caminhando no mato perto de casa, encontrei com lebres (delicadas, bonitas e velozes), lagartos (antediluvianos, não muito simpáticos), cutias (ligeirinhas e graciosas), gambás (com a fama peculiar), entre outros.
No meu quintal essas criaturas também costumam aparecer de quando em quando. Além deles, pássaros e aves vários, beija-flores, saíras, sabiás, andorinhas, caturritas, tucanos, marrecos, pavões (dois deles aterrissaram no pátio há 1 ano e meio), canarinhos, corruíras, etc. A presença deles aqui em casa aumentou com a pandemia.


Os pinheiros nunca deram tanto pinhão como agora e os figos estão tão doces como os araçás, as jabuticabas, as laranjas do céu e as uvaias. A horta humilde e orgânica dá seus vigorosos alimentos.
Pelos vistos nem tudo ficou mais amargo e contaminado nesses dois anos de angústia e isolamento. A natureza continua bela e forte.

A beleza do outono é uma dádiva. A vida continua.


________
photos: jfinatto

sexta-feira, 22 de abril de 2022

No tempo das açucenas

 Jorge Finatto

photo: jfinatto



Teve um tempo em Porto Alegre em que era possível andar pelas ruas de madrugada. Parece mentira mas não é. Muitas vezes eu caminhei de noite, altas horas, sem medo de ser assaltado ou morto. Agora seria impensável sair por aí assim, sem alto risco.

Gostava de caminhar pelas ruas. Anos 1970. Sentia falta do interior de onde eu vinha e das pessoas que perdi na travessia para a capital. Uma coisa em especial me tocava naquelas caminhadas: o perfume das açucenas. 

Havia o problema incontornável da ditadura, prisões, desaparecimentos, manifestações, luta armada, atentados, sequestros, mortes, clandestinidade, exílio, bocas fechadas. Um enorme corte nas liberdades democráticas, no poder do diálogo sobre a força. A derrota do bom senso contra a violência. 

Em meio a tudo, havia as açucenas e seu perfume nas ruas da cidade. Hoje pouco saio e não sei se ainda existe essa flor que muitos associam a melancolia e perda de pessoas queridas. 

Sei lá por que lembrei disso. Talvez ande necessitado de consolo como toda a gente nesses dias de alucinada estupidez e maldade aqui e no mundo. Em que a perda de sentidos, a começar pela dignidade da vida, é devastadora. 

sexta-feira, 1 de abril de 2022

Porto Alegre, felicidade radioativa

 Jorge Finatto

Guaíba. photo: jfinatto


Durante uma aula, no curso de engenharia química, o professor falou que havia radioatividade na areia do Guaíba. Deveríamos ir a campo com um contador Geiger para medir a radiação e confirmar a informação. Não havia motivo para preocupação, disse ele, era em quantidade benigna. 

O mais interessante, segundo afirmou, é que muitos moradores das cercanias do rio guardavam em suas casas porções de areia devido ao efeito calmante, relaxante, que supostamente produziam nas pessoas. E o faziam seguindo uma velha tradição, sem saber que isso era devido à baixa radioatividade e sua propriedade, digamos, sedativa. 

 

Nunca soube em que medida isto de fato acontece pois não fiz o trabalho de campo. Acabei abandonando o curso de engenharia, como fiz em relação a outros que comecei e não terminei. Mas não esqueci a história da areia radioativa. 

 

O fato é que sempre que me aproximo do Guaíba me sinto mais leve, me invade uma sensação de liberdade e paz. Para aqueles que, como eu, banharam-se e brincaram em suas águas na infância, o rio é um mar de recordações. Além disso, os mais lindos crepúsculos habitam suas águas.