sábado, 18 de maio de 2024

Brasil, árvore solidária

                                                              J.F.                 

photo: Clara Finatto, bairro Menino Deus, Porto Alegre, maio 2024


A árvore pau-brasil, da qual se originou o nome do país, tem muitos galhos, gera sombra generosa nos dias de Sol forte e seca, tem linda flor e cor em seu interior, é madeira nobre, cobiçada, de lei, e, devido à extração impiedosa, necessita ser protegida.

O Brasil tem, como sua árvore, muitos braços/galhos de diversidade, solidariedade, calor humano, empatia e energia para a urgente luta contra a tragédia, e valor para a reconstrução.

Então o que eu vejo é que o Rio Grande do Sul sai mais forte desse desmesurado desastre, e sai mais resiliente, mais humano e aberto ao futuro. E, sobretudo, sai mais brasileiro. 

E o Brasil, com essa enorme capacidade humanitária revelada, sai mais brasileiro também.

terça-feira, 14 de maio de 2024

Querência Amada

                                                        J.F.


photo: jfinatto


Campos de Cima da Serra

um pedaço de céu na Terra.

- Dilúvio 2024 -

Essa dor vai passar.

sábado, 11 de maio de 2024

Aurora Austral

                                         Jorge Finatto


photo: Gabriel


Um fenômeno raro - mais um - está ocorrendo neste momento  na querida Ushuaia, cidadezinha argentina mais ao Sul do continente, conhecida também como Cidade do Fim do Mundo. Depois dela, o Estreito de Drake e a Antártica.


Trata-se da Aurora Austral decorrente de tempestade solar severa que está ocorrendo desde sexta-feira, podendo atrapalhar o funcionamento de redes de energia e sistemas de comunicação via satélite, segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos

 

Em Ushuaia está o fim da Cordilheira dos Andes (ou o início pra quem olha de lá para o Norte). À beira do Canal de Beagle, que liga o Atlântico ao Pacífico, é um lugar único, frio o ano inteiro, que vale a pena conhecer.


Bem, nós aqui no Rio Grande do Sul não precisamos de mais um desastre natural a comprometer nossas vidas. Que Deus acalme também o Sol  e proteja a todos nós.

A photo foi enviada à minha filha Clara por seu amigo argentino Gabriel, lá residente.


quarta-feira, 8 de maio de 2024

A correnteza

                                             Jorge Finatto

photo: Clara Finatto, bairro Menino Deus, Porto Alegre.

                                                

Primeiro foi o vento, o vento, o vento cavalo doido galopando nas ruas, nas janelas e telhados

depois veio a chuva,  dilúvio sem arca, festival de relâmpagos, trovões, raios e apagamentos

depois chegou a noite, a noite vertical e imemorial do início dos tempos, noite gelada, de pedra, indevassável

saltou o grito (ninguém ouviu), e a água subiu, a água tocou a nuvem, a casa desmoronou  e tudo que ela guardava, coisas, lembranças, sentimentos, afundou

então fez-se silêncio, o silêncio noturno e ermo dos ausentes, sufocado pela correnteza cor de barro.

sexta-feira, 3 de maio de 2024

Querência em transe

                                             Jorge Finatto

                                    

Nunca presenciei uma situação como essa. Por força da profissão trabalhei em várias cidades do Rio Grande do Sul, algumas delas no interior profundo. Experimentei diversos ambientes e climas. Mas jamais vi tempestades em seqüência por todo o Estado como as desta seman

Nesta sexta-feira, faz seis, sete dias que convivemos com chaparrões e sua profusão de raios, relâmpagos, trovões, enchentes, desmoronamentos, interrupção de estradas, soterramentos de casas e pessoas.  Mortes.

Também nunca tinha ficado  isolado,  sem poder ir para outras cidades em função da destruição de estradas. Mas isso neste momento é o de menos. A tristeza está no fato de ver tantas pessoas desalojadas de suas casas e muitas outras desaparecidas, feridas ou mortas. Nem vou falar do trauma psicológico.

A crise climática é um fato presente aqui e em outros lugares. A "culpa" não é da natureza, mas da conduta humana. As piores previsões estão se confirmando.

Provavelmente chegamos, no planeta, a um ponto sem retorno. Ou alguém acredita no bom senso  e nos bons sentimentos dos líderes mundiais? Mas a vida é hoje, e devemos fazer o que for possível para salvar a querência amada do Rio Grande do Sul, e nós, seus  sofridos habitantes.

domingo, 28 de abril de 2024

Antúrio para os corações

                                          Jorge Finatto


        

Em forma de coração, o Antúrio é flor que harmoniza o ambiente e a alma. 

Tê-lo em casa é uma inspiração para a beleza e os bons sentimentos. 

Quem há de resistir tamanho encanto? Só os brutos. E os desiludidos da vida (que, por ele, podem talvez voltar a viver).

_________

photo: jfinatto

quinta-feira, 4 de abril de 2024

Façamos como as rosas

                                             Jorge Finatto


                      photo: jfinatto


"Morrer não é nada. Difícil é deixar de viver."  A frase, que cito de memória, vem de um poema de Mario Quintana. E resume o meu sentimento em relação à finitude humana. 

A morte não merece maiores considerações, acontece e fim.  Viver é, sim, a grande notícia e é o que nos resta. Só de pensar que a maravilha terá fim um dia dá um nó no peito. Façamos como as rosas. Aproveitemos o milagre de cada dia.