domingo, 25 de julho de 2021

São Miguel e Almas

Jorge Finatto

photo: jfinatto


No alto da colina os mortos velam a cidade. Olham o Guaíba e os marinheiros que partem cedo da manhã nos cargueiros para outras cidades, outros mundos. 

A fúria do tempo não dá trégua e açoita os vivos. Os que são por um momento. 

Os mortos observam a cidade do alto da colina. Não há movimento nas ruas, casas, praças, parques e edifícios. Os vivos adormecem em fundas grutas de sombras e cansaços. 

Os mortos na alta colina procuram sentidos e não há mais sentidos. 

Na cidade dos mortos os mortos velam os vivos.

sábado, 10 de julho de 2021

Sexo gostoso

 Jorge Finatto

Lago Lugano. Suíça. photo: jfinatto


Na adolescência, tive uma namorada que reclamava porque eu não fazia sexo com ela. Dizia que eu era paternalista, meio estranho. De fato eu vivia com a cabeça nos meus livros, distante do mundo, numa caverna existencial cheia de perdas, seres voláteis, sombras e mistérios. Acho que buscava outras realidades, transcendentes, inventadas, porque a minha, de estudante pobre e sem perspectiva, vindo do interior, em plena ditadura militar, era muito dura.  

Gostava de caminhar com ela de mãos dadas, tomar um café, sentar numa praça, andar na chuva, saber de sua vida, falar da minha. Eu achava tão bom ficar desse jeito, conversando, que nem precisava sexo. Era, talvez, um modo diferente de transar. Mas ela não entendeu assim. Não demorou muito, terminou comigo, claro. E eu fiquei sem aquele sexo gostoso.
 

domingo, 27 de junho de 2021

Guaíba, mar de lembranças

Jorge Finatto

Rio Guaíba. photo: jfinatto


As lembranças mais antigas que carrego de Porto Alegre estão ligadas ao Rio Guaíba. Rio que especialistas em assuntos hídricos denominam lago. 

Eu jamais cederei ao conceito científico de chamar de lago o meu amigo Guaíba. Nos conhecemos de muitas décadas pelos nomes com que fomos apresentados, na infância ainda, não tem por que mudar isso. 

Quando ando perto dele, sinto no rosto a brisa ou o vento que vem de seu eterno movimento, e do mar. O aroma adocicado de suas águas impregna os barcos de madeira dos pescadores. 

Os habitantes das ilhas adivinham o mau tempo pelo encrespado nervoso das ondas. Às vezes um grande navio adentra ou sai lentamente pelo canal. Chegadas e partidas do povo das águas. 

O cais ensina que todos estamos de passagem. 

Tinha seis anos quando viemos - os avós e eu - visitar a família em Porto Alegre. Ficamos no pequeno apartamento da Rua Washington Luiz de frente para o Guaíba.

O que era para ser uma simples viagem de passeio transformou a minha vida. A avó morreu, de repente, no sofá da sala, assistindo à televisão comigo ao lado. Nunca mais voltei para a casa serrana.

Foi ali que, com os olhos cheios de lágrimas, esperando o bonde passar, atravessei a rua e visualizei de perto, pela primeira vez, o rio, longo, largo, cheio de vida. 

Os pequenos barcos, as grandes embarcações. As gaivotas, os biguás, os peixes. A solidão.

O Guaíba foi meu primeiro amigo em Porto Alegre.

José Paulo Bisol

 Jorge Finatto


Li agora, no informativo da Ajuris, que morreu José Paulo Bisol aos 92 anos. Desembargador aposentado, desenvolveu também intensa atividade como homem público na política após a aposentadoria. Lembro dele antes da política como comentarista de futebol, no século passado, acho que na TV Educativa. Teve presença marcante também na TV Gaúcha uma época. E, sobretudo, para mim, como apresentador de um comentário, às 7 da manhã, na Rádio Gaúcha, Bom Dia, Mano, se não me engano era o nome. Eu morava então numa quitinete na beira do Guaíba e a vida era na sobrevivência, raça pura. O comentário do Bisol me ajudava a enfrentar a dureza do cotidiano. Uma escuridão tremenda ainda sob os efeitos da ditadura militar que acabara havia poucos anos. Nunca esqueci a força que ele passava nas palavras. Como juiz estive com ele uma única vez, quando ele era Secretário da Segurança Pública do Estado, governo Olívio Dutra, num Encontro de Execução Penal do Tribunal de Justiça. Não houve oportunidade de dizer-lhe o quanto suas palavras tinham sido importantes. Fica aqui o registro. Que Deus o acolha no coração.

domingo, 20 de junho de 2021

500 mil vidas perdidas

   Jorge Finatto

             

Em memória dos 500 mil mortos durante a pandemia covid-19 no Brasil

"A pessoa tenta puxar o ar para dentro dos pulmões mas o ar não vem. Uma, duas, três, várias vezes. Até que o ar não é mais preciso. A pessoa não está mais ali. Meu pai do céu amado!" 

De um sobrevivente de UTI.

A todos aqueles que subestimaram a pandemia e negaram seu imenso poder de destruição está reservado um capítulo na história. Como se diz, a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. Ninguém foge disso.

Muitos dos que debocharam e ainda hoje debocham da gravidade do que estamos vivendo, da dor e do sofrimento de milhões de pessoas, amanhã ou depois, diante de um tribunal local ou internacional, haverão de fazer-se de inocentes ou arrependidos. Mas então será tarde. 

Tiveram todas as chances de perceber o que estava acontecendo e de agir de modo diferente e, no entanto, desprezaram os fatos movidos sabe-se lá por quais sentimentos.

Como se o horror de 500 mil mortos fosse o preço razoável (e necessário) a pagar pelo aumento do pib.

Como se todas essas mortes fossem inevitáveis e não fruto da mais abjeta e cultivada maldade de uns e ignorância de outros.

Como se medidas simples e universalmente aceitas não fossem capazes de evitar muitas dessas perdas, se tivessem sido adotadas tempestivamente em programa nacional de prevenção voltado para a população em todos os entes federados.

Como se a politização da pandemia, o conflito permanente, a vaidade pessoal exacerbada, a sede absurda de poder não fossem a chave do abismo. O futuro chegará e haverá julgamento para todos que usaram a pandemia para obter vantagem.

500 mil vidas perdidas serão registradas para sempre na História e permanecerão em nossos corações, nas nossas preces e na memória das gerações que virão.

sexta-feira, 18 de junho de 2021

Paroxismo da maldade

 Jorge Finatto

Em memória dos quase 500 mil mortos* durante a pandemia covid-19 no Brasil

"A pessoa tenta puxar o ar para dentro dos pulmões mas o ar não vem. Uma, duas, três, várias vezes. Até que o ar não é mais preciso. A pessoa não está mais ali. Meu pai do céu amado!" De um sobrevivente de UTI.

A todos aqueles que subestimaram a pandemia e negaram seu imenso poder de destruição está reservado um capítulo na história. Como se diz, a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. Ninguém foge disso.

Muitos dos que debocharam e ainda hoje debocham da gravidade do que estamos vivendo, da dor e do sofrimento de milhões de pessoas, amanhã ou depois, diante de um tribunal local ou internacional, haverão de fazer-se de inocentes ou arrependidos. Mas então será tarde. 

Tiveram todas as chances de perceber o que estava acontecendo e de agir de modo diferente e, no entanto, desprezaram os fatos movidos sabe-se lá por quais sentimentos.

Como se o horror de 500 mil mortos fosse o preço razoável (e necessário) a pagar pelo aumento do pib.

Como se todas essas mortes fossem inevitáveis e não fruto da mais abjeta e cultivada maldade de uns e ignorância de outros.

Como se medidas simples e universalmente aceitas não fossem capazes de evitar muitas dessas perdas, se tivessem sido adotadas tempestivamente em programa nacional de prevenção voltado para a população em todos os entes federados.

Como se a politização da pandemia, o conflito permanente, a vaidade pessoal exacerbada, a sede absurda de poder não fossem a chave do abismo. O futuro chegará e haverá julgamento para todos que usaram a pandemia para obter vantagem.

500 mil vidas perdidas serão registradas para sempre na História e permanecerão em nossos corações, nas nossas preces e na memória das gerações que virão.

_____

* Com 496.172 mortos, estima-se que o país atingirá, oficialmente, os 500 mil nos próximos dias. Nesta quinta (17/6) morreram 2.335 pessoas vítimas da doença, registrando média móvel de 2005. Considerando as subnotificações, crê-se que o número total já ultrapassou os 500 mil.

Mais informações jornais O Globo e Folha de S. Paulo:

https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/brasil-notifica-2335-mortes-por-covid-19-media-movel-permanece-acima-de-2-mil-1-25066096

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2021/06/brasil-registra-2335-mortes-por-covid-19-e-mais-de-74-mil-casos-em-24-h.shtml

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Saíra

 Jorge Finatto

saíra. photo: Ricardo Gasparin. Canela


Esses são dias sombrios

de pouca alegria

de sofrida esperança

em meio à pandemia


mas hoje eu vi

um pequeno pássaro

pousado no galho

diante da minha janela


vestia delicadas penas

cores várias

ficou um instante

cantarolou doce melodia

depois partiu


ele salvou o meu dia 

tirou um pouco o peso

desse tempo de tantas mortes

e dores e medos


abriu uma fresta de luz

dentro de mim