terça-feira, 5 de março de 2019

A volta

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto. Lisboa

VAI SER difícil voltar a Porto Alegre e não te ver mais. Encontrarei um apartamento fechado, uma janela onde o sol já não entra. Não estarás à minha espera nem à espera de ninguém. Os dias de esperar terminaram. As tuas horas, borboletas numa tarde poente, sumiram, sumiram.
 
Primavera está chegando mas não pra ti, Nena. Eras o centro de uma mesa com muitos lugares. Portas e janelas se fecham com a tua casa vazia. Terei de inventar outra morada, outras manhãs, e pôr novas flores na janela. A tua ausência permanece de braços abertos na porta.
 
Vou pintar um sol amarelo sobre a folha branca. Tecer a aurora para expulsar a escuridão das janelas fechadas.