segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Um dirigível pras estrelas

Jorge Finatto
 
ilustração: Maria Machiavelli


ESSA MANIA de escrever pra ninguém é mesmo coisa de doido, difícil de compreender, algo que se prestaria a estudos profundos sobre as razões que movem o ser humano.

Escrever para a nuvem, como se faz num blog, é mais ou menos como mandar uma carta para o espaço dentro de uma garrafa. Provavelmente não estaremos aqui para receber a resposta, quando e se vier.

Um arqueólogo da internet, daqui a alguns séculos (ou segundos, do jeito que as coisas andam depressa), escavará a superfície tênue da blogosfera atrás de registros feitos por antigos blogueiros em cavernas virtuais. Talvez encontre este texto.

O fato é que hoje, nestes confins, por força de um gelado outono (ou invencível melancolia), o cronista escreve para a nuvem e não consegue traçar a primeira palavra do texto de amanhã.

Não há leitores à espera destas mal-traçadas. Acho que nem haverá, além dos arqueólogos da internet. As pessoas têm mais o que fazer, vida difícil, tempo escasso, mil livros pra ler, passam bem sem leituras virtuais.

O problema, se é que existe, é do cronista nefelibata, que não encontra a primeira palavra. O tempo é de acender a lanterna em busca do caminho.

As palavras estão hibernando nos dicionários. Inspiração é só um estado de espírito, e escrever é mais do que isso.

Vivemos um tempo de secas esperanças, mas é preciso seguir em frente.

Como tarda amanhecer quando a escuridão é tamanha!

Nessa hora erma e côncava, vou mesmo é sair por aí no meu dirigível amarelo, deslizando entre nuvens, numa viagem pra fora do planeta.  Quero ir subindo, subindo, numa longa curvatura de silêncio em direção às estrelas. Carrego comigo um novo calepino (como da primeira vez).

No meu dirigível pras estrelas.
 
_________ 
Texto revisto, publicado antes em 13.4.2014.
 

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Procuro um lugar

Jorge Finatto

photo: jfinatto
 

PROCURO UM LUGAR de silêncio para apascentar a solidão. Um lugar na montanha, bom de estar com um chapéu velho, um capote, o óculos e um livro. 
 
Um lugar pra domesticar o extravio. Longe de tudo, perto de todos.

Habitado por pássaros,  flores e um córrego.

Um lugar onde o único rumor do mundo seja o som das asas da borboleta.
 
_______

Texto revisto, publicado em 8.11.17.
 

domingo, 22 de setembro de 2019

A primeira primavera

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto


É PRIMAVERA outra vez. Mas, como sempre acontece, é como se fosse a primeira primavera. Faz um dia sólido, adorável, céu azul, 17ºC em Porto Alegre.

A cidade está quase vazia de automóveis em função do feriado. Tornou-se respirável e humana.
 
O ar transparente, macio. Sinto uma disposição especial de sair por aí, deixando para trás as cinzas do inverno.
 
Em dias assim vale a pena viver pela eternidade. Que a boa luz ilumine todos os seres e todas as coisas. Que meu coração não esqueça este breve momento de felicidade.
 

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Refúgio

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
 
Tudo tão frágil na vida
o mundo inteiro cabe num abraço

 
Medos povoam a insônia
a chuva lá fora é a infância
com seus tesouros submersos
no navio sem leme nem capitão
do tempo

 
Melhor me refugiar no teu corpo
fingir que tudo está tranquilo
arranjado e bom
como no útero

 
_______
 Poema do livro O Fazedor de Auroras. Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Navegador de barco de papel

Jorge Finatto
 
capa do livro

 Por razões de produção, o lançamento não ocorrerá mais em 24 de outubro, ficou para novembro em data a ser confirmada na semana que vem. Aguardemos. 03/10/2019
 
No dia 24 de outubro próximo, às 19h, na Escola Superior da Magistratura, em Porto Alegre, vou lançar o livro de crônicas Navegador de barco de papel. Convido amigos e visitantes do blog a embarcar comigo na nave. Vamos dar uma volta pelo Guaíba e pela Via Láctea a bordo do barquinho. Afinal, imaginar não custa nada, e sonhar é um dever.
 

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Um respiro

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
Eu quero falar das azaleias que florescem pelas ruas da cidade preparando a primavera que não tarda. Um respiro num momento difícil.
 
Para quem como eu deplora a vulgaridade, a grossura e a visão autoritária, este é um tempo mau. Vivi o suficiente para saber que não existem salvadores da pátria. Que, por pior que seja, a democracia ainda é o menos ruim dos regimes políticos. E que misturar política com religião não é bom sinal.
 
A tentativa de impor os próprios valores sobre os demais deve ser vista com preocupação. Tenho receio dos que se arvoram em donos da verdade verdadeira. Dos que falam sem parar, não escutam e não dialogam com quem pensa diferente. Esse comportamento desconhece a alteridade. Percebo o país à beira de um possível retrocesso, que esperamos não aconteça.
 
Mas as azaleias estão aí. Mostrando que há vida acima das vãs e perigosas vaidades do poder. Que a nossa esperança não se intimide diante da intolerância e da estupidez. A primavera vencerá a treva.
 

sábado, 7 de setembro de 2019

Tudo Azul

Jorge Finatto
 
Revista Azul.
 

Na REVISTA AZUL do mês de setembro, da Azul Linhas Aéreas, foi publicada uma foto que fiz da Catedral de Montevideo em julho passado.
 
O voo da Azul entre Porto Alegre e a capital do Uruguai é muito bom. As aeronaves são novas. O atendimento a bordo e nos aeroportos é educado e eficiente. Percebe-se o preparo e o empenho dos tripulantes em seu mister. Equipamento e serviço nas alturas.
 
No voo de retorno a Porto Alegre, pela primeira vez viajei com uma mulher no comando do avião. E foi um voo exemplar. Li que a Azul é a empresa com maior número de mulheres pilotos. Tudo azul, enfim.
 

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

O cantor da primavera

Jorge Finatto

Sabiá-laranjeira. photo: Dario Sanches. Wikipédia

UMA ALEGRIA era tudo o que eu queria por esses dias. O mundo em geral, e o Brasil em particular, andam muito tristes. Pois ela enfim chegou. Os sabiás voltaram a habitar a minha rua.
 
É uma alegria humilde, numa pequena rua. Mas enche o coração. Os sabiás voltaram a cantar, coisa que não acontecia há muito tempo. No meio de tanto barulho, gritos, discussões no trânsito, nos ambientes de trabalho, nos apartamentos, ouvir o sabiá é um pouco acercar-se do nirvana.
 
O sabiá é o cantor da primavera. Eu andava saudoso da bela música desse querido artista. A minha rua - singela ruazinha - sabe bem acolher os pássaros em suas árvores e vãos de telhado.
 
O ar está irrespirável no planeta. Pela queima de combustíveis e das florestas. Pelos profundos conflitos. Ninguém se entende e há poderosos fazendo o possível para confundir e piorar as coisas. O contingente humano em estado de sofrimento e precariedade é inumerável.
 
Ouvir o sabiá, nesta antiutopia, alivia a alma. Sinto uma felicidade que nem sei explicar. Uma dádiva. A vida perto do amanhecer.