quinta-feira, 6 de maio de 2021

Vigília

 Jorge Finatto

photo: jfinatto

a Mauro Carboni


Faz três dias que não durmo.
Enquanto isso ele dorme
profundamente.
Tenho de aceitar que ele não acordará
como se isso fosse normal
como se não fosse a negação da velha
amizade
como se ele não fosse um desses
essenciais
que andam invisíveis pelo mundo
tecendo generosidade
cuidando dos amigos
velando a solidão.
Ele sequer se despediu
não avisou
nem disse nada
nem escreveu.
O sono
brutal e traiçoeiro
assaltou-o em pleno dia.
Simplesmente adormeceu
saiu de cena
partiu em silêncio
num retiro absoluto, irrevogável.
Faz três dias que não durmo
sentado junto à janela
vendo a noite e o dia lá fora.
Ele dorme profundamente
sem se despedir, sem dizer nada
sem ao menos pedir desculpas
pela inumerável ausência
dolorosa saudade.