segunda-feira, 19 de abril de 2021

Clorofilizemo-nos

 Jorge Finatto

bergamotas. foto: jfinatto


A tentação da carne leva os mortais a cometerem loucuras. Apaixonados e obsedados, esquecem todo o resto e submergem na vertigem luxuriante dos sentidos. Estremecem, deliram, lambuzam-se. Depois, prostram-se saciados diante do prato vazio.

Eu parei de comer carne. Acolhi o mantra: não matarás do reino animal para teu sustento. Sublimei a tentação, tornei-me um ser frugal. Clorofilizei-me. 

Inaugurei uma nova dieta: verdes alfaces, tenros chuchus, meigas ervilhas-tortas, nédias melancias, socados abacates, recatadas couves-flores, risonhas bergamotas. Sem esquecer o inefável melão gaúcho, as inolvidáveis morangas e as voluptuosas batatas-doces.

Substituí o verbo matar pelo plantar. Troquei os rebanhos pela horta; o peso pela leveza.