segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Metrópole à beira-mar

Jorge Finatto
 
 

Antes mesmo de ser lançado, reservei na Livraria Cultura, em Porto Alegre, meu exemplar de Metrópole à beira-mar. O Rio moderno dos anos 20. Da lavra do escritor e jornalista Ruy Castro, a obra oferece um precioso panorama da vida cultural, social e política da cidade do Rio de Janeiro no início do século passado.
 
É um documento rico. Além do texto que se lê com prazer, vale por tirar do esquecimento nomes importantes da arte e da literatura. Entre eles, aparecem com destaque o porto-alegrense Alvaro Moreyra e sua mulher, a mineira Eugenia, primeira repórter brasileira. A casa do casal na Rua Xavier da Silveira, 99, em Copacabana, tornou-se um importante centro de convivência e de resistência cultural e política entre 1918 e 1948.
 
Metrópole à beira-mar vai fundo na investigação, nas descobertas e no entrelaçamento de fatos e personagens. Estou lendo e impressiona a qualidade do material recolhido e o tratamento que lhe foi dado por Ruy Castro (considerado um dos maiores biógrafos brasileiros).
 
O livro não se impõe apenas pela reconstituição de uma época. É objeto de toque pela beleza gráfica, contando, também, com ótimas ilustrações. A bela capa traz uma pintura de J. Carlos, a mesma que ilustrou a capa da revista Para Todos de janeiro de 1927. A publicação era dirigida então por Alvaro Moreyra e J. Carlos. Tenho comigo uma pequena coleção dessas revistas.
 
É gratificante ver que, entre as fontes de pesquisa utilizadas, está a biografia que escrevi sobre Alvaro Moreyra, lançada em 1985. Tantos anos depois de publicada e esquecida, recebo a referência como um reconhecimento àquele trabalho.
 
Comprei mais dois exemplares e dei de presente no Natal. Os felizardos ganhadores têm uma excelente leitura pela frente. E o Brasil ganhou uma obra notável, que nos ajuda a entender a nossa história e a valorizar a nossa cultura.
 
________
Metrópole à beira-mar. O Rio moderno dos anos 20. Ruy Castro. Companhia das Letras. 2019.
Alvaro Moreyra. Jorge Adelar Finatto. Coleção Esses Gaúchos. Editora Tchê. Apoio RBS. Porto Alegre. 1985. 

sábado, 28 de dezembro de 2019

Navegações

Jorge Finatto
 
 

Não gosto de autopromoção e sou péssimo marqueteiro. Em todo caso, vai o lembrete: se alguém se interessar pelo meu recém-lançado NAVEGADOR DE BARCO DE PAPEL (seleção de crônicas, formato pocket book, bom pra ler no metrô, no ônibus, no avião ou sentado na praça), dê sinal através do e-mail do blog. 
 
Aproveito para desejar a todos ótimas leituras nesse 2020 que se anuncia com muitas esperanças (tem que acreditar que vai ser melhor). Que Deus nos proteja do governo e dos que são contra o governo. E olhe pelos de bom coração e bons gestos. E dê uma cutucada nos outros.
 

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Clariceando

Jorge Finatto
 
Clarice Lispector
 

EU VINHA TORTO de leituras difíceis, arrastadas, porque livro é um troço que, às vezes, pode ser muito chato. Há livros que nos levam a um rotundo cansaço, seguido de frustração, queremos terminar a leitura o quanto antes, como quem se livra de um pesadelo. Existem outros que sequer conseguimos ler além das primeiras páginas.

Não agradam nosso paladar (paladar, como se sabe, cada um tem o seu). Nem sempre o problema é da obra, por vezes é o nosso gosto que não está bom.
 
Vinha eu sofrido nos tortuosos caminhos de páginas secas, escarpadas, quando tive aquela iluminação que às vezes me salva: quem sabe leio ou releio alguma coisa de Clarice Lispector (1920 - 1977).

O texto clariceano jamais me deixa abandonado no meio do caminho, nunca me enfada. Salvo se enfadar tivesse algo a ver com fada. Sim, porque Clarice tem alguma coisa de fada na escrita que brota de suas mãos ternas e violentas (sua força é capaz de revolver as entranhas de um vulcão).
 
Mas então passei na livraria e lá estava A descoberta do mundo (Editora Rocco, Rio de janeiro, 1999), que reúne os textos que ela publicou no Jornal do Brasil, aos sábados, entre 1967 e  1973. São anotações, crônicas, pensamentos, pequenos contos, novelas.
 
Nesta coluna estou de algum modo me dando a conhecer. p. 137

É verdade, ao escrever para jornal, Clarice abriu portas e janelas do claro-escuro casarão de sua alma, que abriga uma multidão de outras almas nos seus misteriosos aposentos.

É preciso ter coragem e merecimento para aproximar-se da autora de A paixão segundo G.H. A escalada, tão bela quanto difícil, exige que o leitor esteja disposto a despojar-se do comodismo intelectual. Há uma estrada a percorrer e conquistar.

Além de rara escritora, uma linda mulher, que nada ficava a dever às divas do cinema e às beldades expostas nas capas de revista. Em Clarice encontram-se reunidos, como poucas vezes acontece, beleza física e talento.

A natureza esmerou-se na sua criatura.

Estou agora, nessa madrugada gelada de Passo dos Ausentes, conjugando o verbo claricear, me delicio com seu texto alto, transcendente e cotidiano, humano, em que não há sobras, não há poses, mas um rigoroso mergulho em busca da expressão, que traz à tona tesouros escondidos nas profundezas de corações e mentes de mulheres e homens (humanos).

Uma exploradora de águas profundas, Clarice consegue traduzir em palavras aquilo que dorme no mais recôndito de cada ser, e o faz com tal naturalidade que até parece uma coisa simples.

Felizes somos nós, os que podem lê-la no original em português, que presenciamos o milagre de sua criação sem necessidade de oráculos, bebendo na fonte um texto de valor universal.

Peço humildemente para existir, imploro humildemente uma alegria, uma ação de graça, peço que me permitam viver com menos sofrimento, peço para não ser tão experimentada pelas experiências ásperas, peço a homens e mulheres que me considerem um ser humano digno de algum amor e de algum respeito. Peço a bênção da vida. p. 117

Bons tempos em que escritores como  Clarice Lispector escreviam para jornal. O prazer de ir até a banca da esquina e lá encontrá-la brilhando com seu texto na página efêmera do sábado. Não existem mais grandes cronistas no Brasil, faz tempo.

Saudade da época luminosa em que também escreviam em jornal Carlos Drummond, Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, José Carlos Oliveira, Guilhermino Cesar, Carlos Reverbel, Tarso de Castro, Joel Silveira, Mario Quintana, Caio Fernando, entre outros. Poupo o leitor de comparações com o que (não) temos atualmente, não vale a pena. Olhemos em frente com esperança.

O que importa dizer é que, sempre que reencontro Clarice, redescubro a alegria da palavra e volto a me sentir um peixe feliz no aquário da biblioteca.
 
_________
Texto revisado, publicado antes em 31.5.2013

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Os quatro de Bagé

Jorge Finatto

A partir da esquerda: Glênio Bianchetti, Glauco Rodrigues, Carlos Scliar,
Danúbio Gonçalves. Arquivo pessoal de Glênio Bianchetti


Visitei a exposição OS QUATRO DE BAGÉ na Fundação Iberê Camargo, no bonito edifício às margens do Guaíba. Passei duas horas entre as salas da mostra, e foi pouco, tal a diversidade e beleza dos trabalhos. Os quatro, todos já falecidos, são Danúbio Gonçalves, Glênio Bianchetti, Carlos Scliar e Glauco Rodrigues. Com exceção de Scliar, nascido em Santa Maria, os demais são naturais de Bagé, a acolhedora cidade gaúcha que faz fronteira com o Uruguai.

Tradição, passado e futuro (fragmento). Glauco Rodrigues, 1997.

Boleadeira e ferradura. Glauco Rodrigues, 1976.

A reunião e a camaradagem dos quatro começaram na década de 1940 e prolongaram-se ao longo da vida. Com forte temática social (mas não só), apontando as dificuldades e humilhações dos trabalhadores nas estâncias, charqueadas e minas de carvão, os artistas desenvolveram uma obra crítica, comprometida com o entorno. Entre as técnicas que utilizaram, a gravura teve especial lugar por facilitar a reprodução e distribuição em grande escala das obras. Nesse sentido, criaram o Clube de Gravura de Bagé e participaram do Clube de Gravura de Porto Alegre, ambos no início da década de 1950. Colaboraram em diversas publicações (como a instigante revista Horizonte, editada em Porto Alegre entre 1949 e 1956) e interagiram com intelectuais de várias áreas.

Pilão. Glênio Bianchetti, déc. 1960.

A exposição revela o alto nível de criação dos quatro. Com sua variedade de temas e técnicas, merece ser conhecida e estudada. Chama a atenção que a amizade entre eles, nascida na juventude, perdurou até a morte, não obstante os diferentes caminhos que cada um trilhou. Há uma história que os entrelaça de forma indelével. Raramente artistas (seres egocêntricos e temperamentais) convivem e se respeitam por muito tempo.Também não deixa de ser curioso o fato de o acaso (ou não) ter reunido pessoas de tanto talento numa pequena cidade interiorana.

E os tomates também. Carlos Scliar, 1975.

A exposição, que se estende até março do ano que vem, ganha notável dimensão na medida em que apresenta parte da obra do grupo ao correr de décadas. Os quatro são dignos de figurar nos melhores museus do mundo. Trata-se de uma das mais importantes exposições já realizadas pelo museu Iberê. Por sua importância, creio que deveria ser levada a diversas cidades do Rio Grande do Sul e a outros Estados.

Carvão e suor. Danúbio Gonçalves, 1956.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Orquídeas, rosas e hibiscos na rua

Jorge Finatto

photo: jfinatto


Caminhando nas RUAS DO BAIRRO, na volta da agência do correio onde fui postar alguns livros, encontrei orquídeas. Estão aconchegadas no tronco de um plátano na Rua Comendador Rheingantz. Quando as vi pela primeira vez, anos atrás, fiquei muito admirado. Orquídeas medrando no asfalto. Cheguei a pensar que eram artificiais, ideia de algum gaiato talvez. Mas não, são verdadeiras.

Do outro lado da rua, tem uma roseira, que dá lindas rosas vermelhas. Perto dali, na Rua Furriel, hibiscos cor-de-rosa. Porto Alegre é uma cidade muito arborizada, disso não se pode reclamar. E não faltam flores em muitas de suas  ruas.

O mundo vegetal ameniza a dificuldade de viver numa cidade tão difícil e avessa à alegria. Alegria que rareia em todo o Brasil. Nem sempre foi assim. Talvez os bons dias estejam chegando logo em frente, dependendo da luta de cada um por mais solidariedade, respeito ao próximo e capacidade de invenção da vida. Preciso acreditar que, em breve, todos brilharão e virão outra vez conviver nas calçadas. Como as orquídeas, os hibiscos e as rosas nas ruas do bairro.

photo: jfinatto

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Enquanto picam livros, o sabiá canta

Jorge Finatto

brinco-de-princesa no quintal. foto: j.finatto
 
 
ALEGRIA s.f. Sentimento de felicidade, de contentamento, satisfação, júbilo.*

Todo ESCREVER é uma viagem em busca da alegria. Alegria de estar vivo num país e num mundo tão tristes, tão desconcertantes quanto belos. Se escreve apesar de tudo e contra tudo que maltrata a sensibilidade, se escreve para celebrar a vida e suas mil faces. Palavras são registros, são retratos, são pinturas, são esboços, são rascunhos, são delírios e são sonhos que vêm de algo maior, que nos envolve e alimenta.

Às vezes me reconheço nas coisas que escrevo. Em outras ocasiões, é um estranho que está naquelas linhas. Gosto quando isto acontece: é como se me libertasse do labirinto pessoal. Tenho a sensação de que escapei do calabouço. Nesse sentido é como se a escrita levasse a um campo aberto pronto para ser trilhado em direção ao infinito.

Li que a coleção "Obras Completas do Círculo de Lectores", da Espanha, será reduzida a papel picado, porque não há mais interessados em comprar e ler os livros. Afirma-se na notícia que existem cada vez menos leitores de livros impressos. Não se vendem mais livros de porta em porta em nenhuma parte. As enciclopédias estão digitalizadas. O mundo digital avança, mudam-se hábitos. A leitura já não seria uma prioridade, prefere-se o mundo das imagens e sons das telas.

A coleção a ser picada é de autores clássicos universais, um tesouro da criação humana.

Diz, também, a tal notícia que não haveria interessados em ficar com os livros (ao invés de picá-los). Será? Talvez não na Europa, mas aqui no Brasil há tantas escolas espalhadas pelo imenso território com carência de livros. O mesmo em países de língua espanhola nos interiores profundos do continente. Aposto que mesmo na Espanha encontrariam quem quisesse receber os livros. Mas aí, decerto vão dizer, há o custo do correio, do transporte, etc, etc. É uma pena.

É preciso talvez dizer aos autores da ideia picadora que livros não foram feitos pra virar confete, mas para os olhos, corações e mentes das pessoas.

No Brasil, em sentido contrário, é cada vez maior o número de clubes de leitura formados por pessoas que se reúnem uma vez por mês, em média, para conversar sobre um livro que todos leram. São eventos que brotam espontaneamente nas comunidades. Participei uma vez de um desses encontros num café e gostei. Isso sem falar que encontrar pessoas de carne e osso nesses tempos de face, instagram e whatsapp é quase uma quimera.

Enquanto isso, no quintal, o sabiá me dá de presente o seu canto. Ele tem ninho nas minhas árvores. Não cobro aluguel. Acho que é mais do que um, pois a cantoria é grande de manhã e à tarde. Ele não exige pagamento pra cantar, não reclama direitos de autor. Não reivindica presença de público.

Canta porque quer, quando quer, o "meu" sabiá. Existe ainda alegria no mundo.

Enquanto picam livros, o sabiá canta no quintal, criam-se clubes de leitura. Resistência.

________

* Dicionário Aurélio. Terceira acepção da palavra alegria. Editora Nova Fronteira, 1999.
 

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Viagem num barco de papel

Jorge  Finatto
 
Cartaz de divulgação: Emily M. Borges, Ajuris.
 
Amanhã, 28 de novembro, a partir das 19h, na Escola Superior da Magistratura, em Porto Alegre, vou receber os leitores e amigos para o lançamento do livro de crônicas Navegador de barco de papel.
 
Convido todos a embarcar nesta viagem. Vamos dar uma volta pelo Guaíba e pela Via Láctea a bordo do barquinho.
 
Afinal, imaginar não custa nada, e sonhar é um dever.
  

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Não escrevemos o primeiro verso

Jorge Finatto

photo: j.finatto


Não escrevemos o primeiro verso
há tudo por ser dito
mas sou teimoso
insisto no jogo

quando desanimares pensa em mim
que não abandonei as ferramentas

que não dei um verso para a eternidade
 
_____________
Do livro Claridade, edição Prefeitura Municipal de Porto Alegre e Editora Movimento, 1983.

domingo, 17 de novembro de 2019

Pequenos mistérios

Jorge Finatto

Entre pétalas, texto de Rainer Maria Rilke* photo: jfinatto


COSTUMO PÔR PÉTALAS e folhas entre páginas de livros, cadernos de anotações. Acho bonito abrir tempos depois e encontrar as pétalas  e as folhas secas com suas cores e nervuras à flor da pele. Elas parecem carregar a memória de um tempo, de um jardim, de uma sensibilidade.
 
Em álbuns de fotografia também fica delicado. Era comum naqueles álbuns de recordações das moças de antigamente. Pego as pétalas e folhas caídas no outono.
 
Os livros, fisicamente, pertencem ao mundo vegetal. Com o conteúdo das palavras transformam-se em objetos espirituais. Nem todos, claro. Há alguns que nunca alcançam este patamar.
 
O mundo está cheio de coisas esquecidas. Será que ainda se usam folhas e pétalas entre páginas? Será que alguém tem álbum de fotografias? Será que livros ainda têm lugar nas casas? Será que existem moças sonhadoras e cadernos de recordações?

_________ 
Texto revisto, publicado em 18 de outubro de 2017.
*Cartas do poeta sobre a vida. Rainer Maria Rilke. Organização de Ulrich Baer. Tradução de Milton Camargo Mota. Livraria Martins Fontes Editora Ltda. São Paulo, 2007. 
O epitáfio de Rilke:
https://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/search?q=O+epit%C3%A1fio+de+Rilke
 

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

O hotelzinho de Rilke e Goethe

Jorge Finatto

Castelo de Muzot. photo: jfinatto
 
Olhai, as árvores são; as casas que habitamos, resistem. Somente nós passamos (...) 
 fragmento da Segunda Elegia de Duíno. Rainer Maria Rilke ¹


NA CIDADEZINHA DE SIERRE, sul da Suíça, no Cantão  do Valais, hospedei-me num pequeno hotel 3 estrelas. Perto da estação de trem, tem comida caseira regional e bom vinho. O imóvel é do século XVIII e, segundo seus registros, recebeu no passado, como hóspedes, Goethe (1749 - 1832) e Rilke (1875 - 1926), dois grandes da literatura de língua alemã.
 
O Hôtel de la Poste passou por reformas ao longo do tempo, claro. É simples, caprichoso e as pessoas são acolhedoras. Ocupei um quarto no segundo andar, imaginando se Rilke ou Goethe teriam ficado nele alguma vez. Será que escreveram na mesinha junto da janela, atrás da cortina cor-de-rosa?

Enquanto me acomodava, a neve tecia caminhos de úmido algodão lá fora.

Hôtel de la Poste.Sierre.  photo: jfinatto
 
vista do quarto. Sierre. photo: jfinatto

A razão de minha visita à pícola cidade, cercada pelo maciço rochoso coberto de neve dos Alpes, era percorrer os passos de Rilke em seus últimos cinco anos de vida. Na região de Sierre terminou de escrever as Elegias de Duíno, iniciadas na Itália em 1912. E verteu para o francês parte de seus poemas, além de outras criações e de cultivar a extensa correspondência.
 
Rilke em Muzot. photo: Fundação Rilke²

Entre 1921 e 1926, viveu no castelo de Muzot, emprestado por alguém da aristocracia local. O imóvel situa-se mais exatamente na pequena e calma localidade de Veyras, ao lado de Sierre. Nele escreveu e recebeu muitas cartas, fez poemas, traduziu, conviveu, amou, planejou viagens, foi feliz e chorou  em silêncio sentado no banco sob a parreira do quintal.

Muzot pouco lembra um castelo, não é grande nem suntuoso. Trata-se na verdade de uma construção que lembra uma torre. Não se pode entrar no local, pois é propriedade particular. Não sei se possui objetos do poeta, não há informações a respeito. Mas o fantasma de Rilke deve perambular por seus espelhos.  
 
Em Muzot compôs o poema-epitáfio. E mandou construir seu túmulo ao lado da igrejinha que costumava freqüentar, em Rarogne, a cerca de 30 quilômetros de Sierre, engastada na encosta alpina, depois que se descobriu com leucemia, na época incurável.

Aquele lugar tinha para Rilke um sentido místico. Situado sobre uma colina, com ampla visão dos alpes a leste e oeste, a passagem do rio Ródano no meio dos vales, nos remete ao sagrado. Há algo nesta paisagem que não se explica. Uma visão mágica que inspira um forte sentimento de transcendência.

Igreja de Rarogne, ao lado da qual está enterrado Rilke. photo: jfinatto


túmulo de Rilke. Rarogne. photo: jfinatto
 
A cidade de Sierre, na qual cultivou relações, mostra interesse pela memória do poeta, a começar pela Fundação Rilke² ali existente. Numa livraria, porém, os livreiros mal conheciam seu nome, o que me causou certo espanto. Talvez por ser um devoto da poesia rilkeana esperava mais. Encontrei poucos livros dele na estante, comprei seus poemas franceses.

Já escrevi no blog sobre como descobri seu túmulo solitário e coberto de neve e da emoção que senti ao ler o famoso epitáfio inscrito na rósea e gelada pedra tumular.³
epitáfio do poeta. photo: jfinatto

Rosa, ó pura contradição,
volúpia,
de ser o sono de ninguém
sob tantas
pálpebras. 4

Caminhei ao léu nas ruas solitárias e geladas de Sierre. Admirei da estrada o castelo de Muzot com seu quintal, a parreira e o banco.

Memórias de um poeta que me acompanha desde a adolescência, a quem sempre serei grato pelas lições de vida e poesia em seus livros. Cartas a um jovem poeta é um dos grande livros já produzidos pelo homem em todos os tempos. O poeta genial, humilde e cordial que nunca se cansou de tentar desvelar os mistérios de nossa passagem pelo mundo.

_____________  

¹ Elegias de Duíno. Rainer Maria Rilke. Tradução e comentários de Dora Ferreira da Silva. Edição bilíngüe alemão-português. Editora Globo, São Paulo, 2001.

² Fundação Rilke:
  http://fondationrilke.ch/la-fondation/

³ O epitáfio de Rilke:
 http://ofazedordeauroras.blogspot.com.br/2014/12/o-epitafio-de-rilke.html

4 Tradução de Manuel Bandeira, em sua Antologia Poética, Livraria José Olympio Editora, 7ª edição, Rio de Janeiro, 1974.
_________ 
Texto revisto, publicado em 13 de novembro, 2016.  

sábado, 9 de novembro de 2019

Segredos do implúvio

Jorge Finatto


photo: jfinatto. Serra Gaúcha


 I

Dizem
que escrever
poemas
é ofício
de pouco valimento

mas pouco se revelou
sobre a memória
da sombra
as paredes úmidas
da velha casa de madeira
o sombrio corredor
onde se morria um dia
todos os dias
sem notícia
sem amanhã

II

alguém precisava
recordar
os soturnos habitantes
da rua humilde
na cidade serrana

lembrar o cheiro
de suas vestes
as pedras soltas
na porta das casas

os casacos pretos
nas manhãs de geada

III

nada ou muito pouco
se disse
dos segredos do implúvio

eu me pergunto por que
esse vazio em torno

estaria no silêncio
acre das caves
o destino de partir?

trabalho lento
nas escarpas
do coração

IV

não fossem
os trilhos
do trem
o barulho santo
do trem
atravessando
a madrugada
criando ao menos
em tese
a possibilidade
da fuga
muitos teriam
desistido de tudo
ali mesmo
como fez Chico
o Esquecido

V

o coração não é
assim mero

cresce em segredo
na dura colheita

não se esvazia
o coração
como se esgotam
as cisternas

VI

alguém precisava contar
a náusea persistente
a longa e tortuosa estrada
que desce na Capital

melhor não inventar
histórias
de castelos e linhagens
que nunca existiram
e se houve
federam
como podem feder
as escadarias
dessas obscuras passagens
perdidas no planeta
que recolhem
seres rastejantes

VII

o que se registra
no tombo do tempo
é que há um menino
imóvel
à beira da jovem defunta

naquele lugar
a despedida
com alguma flor
sussurros abafados

ele pergunta
onde ela foi habitar

o que vê
é a morte
e seu absurdo trabalho
convertendo em pó
a luz dos olhos

________

Do livro O habitante da bruma, Editora Mercado Aberto, Porto Alegre, 1998. 

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Maria Madalena

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto

Maria Madalena teve o privilégio de ser a primeira pessoa a ver Jesus após a Ressurreição.  Nenhum dos apóstolos teve essa ventura. Havia nas cercanias do lugar onde ele foi assassinado (Monte Gólgota, Jerusalém) um jardim e, neste, um túmulo novo ainda não usado. Foi nele que o sepultaram José de Arimateia (discípulo secreto de Cristo, homem influente e rico) e Nicodemos, o corpo envolto em fino linho.

Enquanto ela chorava diante do túmulo, onde o corpo não estava mais, Jesus apareceu-lhe. Era de manhã muito cedo. Num primeiro momento ela não o reconheceu. Até que ele fala: "Maria!". E a alegria de Madalena é infinita. Em lágrimas, ela toca o Senhor levantado dos mortos.  Ele então lhe diz:

- Para de agarrar-te a mim. Porque ainda não ascendi para junto do Pai. Mas, vai aos meus irmãos e dize-lhes: "Eu ascendo para junto de meu Pai e vosso Pai, e para meu Deus e vosso Deus". (João 20:17)

Impressiona o amor de Maria Madalena por Cristo e o sentimento que os unia. Ele tinha expulsado sete demônios dela e a partir de então ela passou a segui-lo e amá-lo, segundo o relato bíblico.

Em sua passagem pelo mundo, Jesus mostrou-se um ser espiritual num corpo humano. Um ser que valorizava muito o afeto. Daí ter proclamado a importância de amarmos ao próximo como a nós mesmos. Teve o amor como algo urgente e necessário.

Estamos à véspera da Ressurreição, no domingo de Páscoa. Relendo os quatro Evangelhos por esses dias (Mateus, Marcos, Lucas e João), dei-me conta de que, durante a vida,  assim como nas horas finais e na Ressurreição, Cristo foi acompanhado de perto, modo amoroso e dedicado, por mulheres.

O aparecimento de Jesus a Maria Madalena é revelador disso. É prova de gratidão e carinho. Mostra que ele não era indiferente à presença feminina, mas tinha-a em elevada consideração.

Não há informes sobre Maria Madalena (da aldeia de Magdala, cuja existência foi comprovada por recentes escavações em Israel), além dos Evangelhos. Sabe-se, por exemplo, que assistiu Cristo e os apóstolos com seus bens como outras mulheres também o fizeram (Lucas 8: 1, 2, 3).

Quem foi essa mulher? O que fez e como viveu? Que momentos luminosos compartilhou com Jesus? Como se passaram seus dias depois da morte de seu amado Senhor? São mistérios a desafiar interpretações e especulações.

Uma coisa, contudo, parece certa: por ser quem era e pelo seu amor, ela conquistou o coração de Jesus.
________
Texto revisto, publicado em 15 de abril de 2017.
 

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Drummond, vida que não se apaga

Jorge Finatto
 
Drummond. foto: Stefan Rosenbauer. O Globo, 17/12/2016

E se os olhos reaprendessem a chorar seria um segundo dilúvio.
Carlos Drummond de Andrade no poema O Sobrevivente.
 
Hoje completam-se 117 anos do nascimento do poeta Carlos Drummond de Andrade (31/10/1902). Ele foi um bem na floresta escura da minha/nossa vida. Um ser que espalhou claridade no mundo em forma de poesia. Republico esta postagem de 31 de outubro de 2017 em homenagem ao aniversário do bardo. 
 
"O JOVEM LEITOR afeiçoou-se ao poeta. Compartilhou com ele, mais do que palavras, a viva vida que elas expressavam. E como diziam coisas as palavras do bardo itabirano!
 
Havia entre poeta e leitor uma secreta cumplicidade. Um andar juntos pelo mundo. Uma troca de confidências, alegrias, queixas, protestos, malquereres, desertos, amores, esperanças. O invisível amigo percorria com o jovem os duros caminhos do mundo. Caminhos de pedra.
 
Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) será sempre o lúcido, o lírico, o amoroso, justo enlace razão-emoção, construtor de versos indeléveis na língua universal da poesia. Enquanto houver livros e leitores, Carlos Drummond será sinônimo de altíssima poesia e claro pensamento.

Ele traduziu o ser-no-mundo, às vezes cambaio, às vezes indescritivelmente só, mas sempre solidário em sua humana caminhada.
 
O poeta não se esquivava e respondia as cartas que lhe chegavam todos os dias. Generoso, sabia colocar-se, não acima, mas ao lado do leitor que o procurava ávido por um contato, mínimo que fosse. Respondia com incomum e delicada atenção as missivas.

Quando escrevia na resposta o nome do jovem missivista, manuscrito com tinta azul na folha branca, retirava-o do anonimato, reconhecia-lhe existência, tratava-o como um semelhante. Sábio e sensível ao outro, ele sabia que o poema só existe quando desvelado aos olhos do cúmplice leitor. As duas cartas que dele recebi são, para mim, verdadeiras relíquias literárias e sentimentais emolduradas na parede do escritório.
 
Drummond fez um imenso bem à minha alma, aos meus jovens dias e aos dias que vieram depois. Neste 31 de outubro, em que se comemora seu aniversário (vida estendida no testamento da poesia), renovo a emoção de abraçá-lo com o coração. Afeto que o tempo não apaga."

"No mar estava escrita uma cidade". verso do poeta na escultura da
Av. Atlântica, Rio de Janeiro. photo: jfinatto

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Cálido

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
Preciso escrever
o poema
que vai salvar
esse dia

o poema cálido
para atravessar
o tempo difícil
que ainda tenho
pela frente

o poema que vai
expulsar
a vontade
de morrer
que chega
aos poucos
como um felino
_____________ 

Do livro Memorial da vida breve, Jorge Finatto, Editora Nova Prova, Porto Alegre, 2007. 

domingo, 27 de outubro de 2019

Parece que nunca mais

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto. Claraboia, Museu Iberê Camargo, Porto Alegre.
 
Sei lá, o MUNDO está de cabeça pra baixo. Mas fiquemos tranquilos (?), não começou agora, nem ontem. Vem assim desde o início. Às vezes acho que o ser humano é um projeto que não deu certo. Mas aí fico triste, desanimo, tenho pena de Deus e tenho medo de sua ira por pensar dessa forma. Mas parece que o mal está feito, que as pessoas nunca conseguirão ser bondosas, amando-se umas às outras como era pra ser (ou, pelo menos, não se destruindo feito feras). Parece que nunca mais conseguiremos sair à rua e nos encontrar sem receio de ser mortos por bandidos ou por algum sniper emboscado. É uma pena especialmente nessa época em que as AÇUCENAS enchem o bairro com seu aroma incrível. Enquanto isso nos escondemos atrás da janela. Olhamos o tempo passar, ouvindo os tiros.
 

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Um barco pra sonhar e pensar

 

 
Trecho da crônica Quinquilharias San Telmo.
 

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Domingo com garça

Jorge Finatto
 
fotos: jfinatto. local: Grêmio Náutico União
 
Na TARDE de domingo, caminhando pelo bairro, encontrei uma garça no parque. Branca como nuvem, cerca de 80 cm de altura. Pisava na água que escorria da fonte. Deve ter voado 6 km  para vir do Guaíba até ali.
 
O Guaíba ainda é um viveiro de peixes e aves apesar dos despejos diários de esgoto não tratado em suas águas. Porto Alegre trata em torno de 50% de seus resíduos, o restante vai in natura para o rio.

E do rio vem a água que bebemos, cozinhamos, nos banhamos... Incrível que numa época de tanta tecnologia avançada ainda não conseguimos resolver este problema.
 
Mas ali estava a garça. Com passos elegantes pra lá e pra cá. Alçava breves voos no entorno, olhava o lugar. Uma bela visão. Convenhamos que, para uma tarde qualquer de domingo, não é pouca coisa.
 
 

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Dar-se à luz

Jorge Finatto


_______
Foto de Clara Finatto

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Aprendiz de Sísifo

Jorge Finatto

photo: jfinatto


Tropecei nas minhas certezas
caí de cara no chão.
A coisa mais certa nessa vida
é a força da gravidade.
 

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Carlos Lyra e Wanda Sá

Jorge Finatto

Foto divulgação: Carlos Lyra e Wanda Sá
 
Assisti à apresentação do compositor e cantor Carlos Lyra e da violonista e cantora Wanda Sá no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, na quarta passada (02/10). Ele com 86 anos, ela com 75. Lyra está na origem da Bossa Nova, nos anos 60, autor de clássicos como Se é tarde me perdoa, Maria ninguém, Quem quiser encontrar o amor e Coisa mais linda, entre tantos. Wanda Sá participou do movimento ao lado de grandes nomes.
 
Chamou a atenção a faixa etária da assistência, na maioria pessoas idosas. Fiquei na dúvida: será que os jovens não se interessam por Bossa Nova? Outra: existe clima para o lirismo, a suavidade e a beleza da Bossa Nova na realidade brasileira atual?
 
Pode ser que a explicação esteja, também, em parte, no preço dos ingressos, média de cento e oitenta reais a plateia (bastante salgado nesses tempos).
 
Enfim, um momento inesquecível de reencontro com a música brasileira. Ver Carlos Lyra em plena atividade, com seu talento e seu charme, é encorajador, o mesmo podendo ser dito de Wanda. Que continuem seus shows pelo país para que os jovens saibam que o Brasil já foi mais feliz a ponto de produzir músicas como as da Bossa Nova.
 

sábado, 5 de outubro de 2019

Lançamento do livro de crônicas

Jorge  Finatto
 
Cartaz de divulgação: Emily M. Borges, Ajuris.
 
No dia 28 de novembro próximo, às 19h, na Escola Superior da Magistratura, em Porto Alegre, vou lançar o livro de crônicas Navegador de barco de papel.
 
Convido todos a embarcar comigo nesta viagem. Vamos dar uma volta pelo Guaíba e pela Via Láctea a bordo do barquinho.
 
Afinal, imaginar não custa nada, e sonhar é um dever.
  

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Um dirigível pras estrelas

Jorge Finatto
 
ilustração: Maria Machiavelli


ESSA MANIA de escrever pra ninguém é mesmo coisa de doido, difícil de compreender, algo que se prestaria a estudos profundos sobre as razões que movem o ser humano.

Escrever para a nuvem, como se faz num blog, é mais ou menos como mandar uma carta para o espaço dentro de uma garrafa. Provavelmente não estaremos aqui para receber a resposta, quando e se vier.

Um arqueólogo da internet, daqui a alguns séculos (ou segundos, do jeito que as coisas andam depressa), escavará a superfície tênue da blogosfera atrás de registros feitos por antigos blogueiros em cavernas virtuais. Talvez encontre este texto.

O fato é que hoje, nestes confins, por força de um gelado outono (ou invencível melancolia), o cronista escreve para a nuvem e não consegue traçar a primeira palavra do texto de amanhã.

Não há leitores à espera destas mal-traçadas. Acho que nem haverá, além dos arqueólogos da internet. As pessoas têm mais o que fazer, vida difícil, tempo escasso, mil livros pra ler, passam bem sem leituras virtuais.

O problema, se é que existe, é do cronista nefelibata, que não encontra a primeira palavra. O tempo é de acender a lanterna em busca do caminho.

As palavras estão hibernando nos dicionários. Inspiração é só um estado de espírito, e escrever é mais do que isso.

Vivemos um tempo de secas esperanças, mas é preciso seguir em frente.

Como tarda amanhecer quando a escuridão é tamanha!

Nessa hora erma e côncava, vou mesmo é sair por aí no meu dirigível amarelo, deslizando entre nuvens, numa viagem pra fora do planeta.  Quero ir subindo, subindo, numa longa curvatura de silêncio em direção às estrelas. Carrego comigo um novo calepino (como da primeira vez).

No meu dirigível pras estrelas.
 
_________ 
Texto revisto, publicado antes em 13.4.2014.
 

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Procuro um lugar

Jorge Finatto

photo: jfinatto
 

PROCURO UM LUGAR de silêncio para apascentar a solidão. Um lugar na montanha, bom de estar com um chapéu velho, um capote, o óculos e um livro. 
 
Um lugar pra domesticar o extravio. Longe de tudo, perto de todos.

Habitado por pássaros,  flores e um córrego.

Um lugar onde o único rumor do mundo seja o som das asas da borboleta.
 
_______

Texto revisto, publicado em 8.11.17.
 

domingo, 22 de setembro de 2019

A primeira primavera

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto


É PRIMAVERA outra vez. Mas, como sempre acontece, é como se fosse a primeira primavera. Faz um dia sólido, adorável, céu azul, 17ºC em Porto Alegre.

A cidade está quase vazia de automóveis em função do feriado. Tornou-se respirável e humana.
 
O ar transparente, macio. Sinto uma disposição especial de sair por aí, deixando para trás as cinzas do inverno.
 
Em dias assim vale a pena viver pela eternidade. Que a boa luz ilumine todos os seres e todas as coisas. Que meu coração não esqueça este breve momento de felicidade.
 

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Refúgio

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
 
Tudo tão frágil na vida
o mundo inteiro cabe num abraço

 
Medos povoam a insônia
a chuva lá fora é a infância
com seus tesouros submersos
no navio sem leme nem capitão
do tempo

 
Melhor me refugiar no teu corpo
fingir que tudo está tranquilo
arranjado e bom
como no útero

 
_______
 Poema do livro O Fazedor de Auroras. Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, 1990.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Navegador de barco de papel

Jorge Finatto
 
capa do livro

 Por razões de produção, o lançamento não ocorrerá mais em 24 de outubro, ficou para novembro em data a ser confirmada na semana que vem. Aguardemos. 03/10/2019
 
No dia 24 de outubro próximo, às 19h, na Escola Superior da Magistratura, em Porto Alegre, vou lançar o livro de crônicas Navegador de barco de papel. Convido amigos e visitantes do blog a embarcar comigo na nave. Vamos dar uma volta pelo Guaíba e pela Via Láctea a bordo do barquinho. Afinal, imaginar não custa nada, e sonhar é um dever.
 

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Um respiro

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto
 
Eu quero falar das azaleias que florescem pelas ruas da cidade preparando a primavera que não tarda. Um respiro num momento difícil.
 
Para quem como eu deplora a vulgaridade, a grossura e a visão autoritária, este é um tempo mau. Vivi o suficiente para saber que não existem salvadores da pátria. Que, por pior que seja, a democracia ainda é o menos ruim dos regimes políticos (não lembro o nome de quem disse isso). E que misturar política com religião não é bom sinal.
 
A tentativa de impor os próprios valores sobre os demais deve ser vista com preocupação. Tenho receio dos que se arvoram em donos da verdade verdadeira. Dos que falam sem parar, não escutam e não dialogam com quem pensa diferente. Esse comportamento desconhece a alteridade. Percebo o país à beira de um possível retrocesso, que esperamos não aconteça.
 
Mas as azaleias estão aí. Mostrando que há vida acima das vãs e perigosas vaidades do poder. Que a nossa esperança não se intimide diante da intolerância e da estupidez. A primavera vencerá a treva.
 

sábado, 7 de setembro de 2019

Tudo Azul

Jorge Finatto
 
Revista Azul.
 

Na REVISTA AZUL do mês de setembro, da Azul Linhas Aéreas, foi publicada uma foto que fiz da Catedral de Montevideo em julho passado.
 
O voo da Azul entre Porto Alegre e a capital do Uruguai é muito bom. As aeronaves são novas. O atendimento a bordo e nos aeroportos é educado e eficiente. Percebe-se o preparo e o empenho dos tripulantes em seu mister. Equipamento e serviço nas alturas.
 
No voo de retorno a Porto Alegre, pela primeira vez viajei com uma mulher no comando do avião. E foi um voo exemplar. Li que a Azul é a empresa com maior número de mulheres pilotos. Tudo azul, enfim.
 

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

O cantor da primavera

Jorge Finatto

Sabiá-laranjeira. photo: Dario Sanches. Wikipédia

UMA ALEGRIA era tudo o que eu queria por esses dias. O mundo em geral, e o Brasil em particular, andam muito tristes. Pois ela enfim chegou. Os sabiás voltaram a habitar a minha rua.
 
É uma alegria humilde, numa pequena rua. Mas enche o coração. Os sabiás voltaram a cantar, coisa que não acontecia há muito tempo. No meio de tanto barulho, gritos, discussões no trânsito, nos ambientes de trabalho, nos apartamentos, ouvir o sabiá é um pouco acercar-se do nirvana.
 
O sabiá é o cantor da primavera. Eu andava saudoso da bela música desse querido artista. A minha rua - singela ruazinha - sabe bem acolher os pássaros em suas árvores e vãos de telhado.
 
O ar está irrespirável no planeta. Pela queima de combustíveis e das florestas. Pelos profundos conflitos. Ninguém se entende e há poderosos fazendo o possível para confundir e piorar as coisas. O contingente humano em estado de sofrimento e precariedade é inumerável.
 
Ouvir o sabiá, nesta antiutopia, alivia a alma. Sinto uma felicidade que nem sei explicar. Uma dádiva. A vida perto do amanhecer.
 

sábado, 31 de agosto de 2019

"Meu pai, dá-me os teus velhos sapatos"

Jorge Finatto
 
araucária. Canela. photo jfinatto
 

Meu pai, dá-me os teus velhos sapatos. Tão lindo esse verso de Vinicius de Moraes.* O grande poeta brasileiro de quem, na adolescência, eu sabia quase todas as letras de música de cor, tanto me fascinavam sua lira e seu balanço. Isso sem falar dos poemas publicados em livros.
 
Não guardo os velhos sapatos de meu pai, nem dos avôs.  Se os tivesse, carregariam terras da Itália nas solas gastas, e muito espanto, muitas perdas, muita angústia entre mundos tão diferentes. E muita gratidão pela vita nuova no sul do Brasil ao lado de outros expatriados como eles, inclusive aquele um trisavô (ou trisavó) cujos pais vieram como escravos da África. 
 
Mas eis que hoje é sábado, último dia de agosto. Faz frio e chove em Canela. Estou no escritório folheando livros nas estantes. A neblina estende suas sedas brancas além das janelas.
 
No quintal a araucária vertical. Aqui na montanha se vê longe. Não fiquei com os velhos sapatos ancestrais, e gostaria. Mas trago tudo dentro de mim misturado. E sou como o pinheiro. Tenho espinhos, mas dou frutos.
 
________
*Jardim Noturno. Poemas Inéditos. Vinicius de Moraes. Poema "Meu pai, dá-me os teus velhos sapatos", p. 30. Companhia das Letras, 1993. São Paulo.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Livro do papagaio pensador. Capítulo I. Das perplexidades

Jorge Finatto

photo: jfinatto

 
I. UM HOMEM que não controla a própria língua pode governar um reino?
 
II. SER HONESTO, aberto ao diálogo e ter capacidade de autocrítica, hoje, no Brasil, é ser revolucionário.
 

domingo, 25 de agosto de 2019

O guardião da cidade-fantasma

Jorge Finatto
 
Shigeru Nakayama. photo: Bruno Kelly (Folhapress)
 
Nos últimos dias, as queimadas na Floresta Amazônica chamaram a atenção do mundo, provocando protestos no Brasil e em muitos países. A pressão de líderes internacionais, somada às muitas manifestações, forçou o governo brasileiro a rever sua posição de inércia diante do aumento da devastação da Amazônia. Algumas medidas foram agora adotadas, mas falta muito ainda para se alcançar um nível razoável de efetividade no combate às ações ilegais que destroem a floresta, atentando contra os povos que lá vivem. Reproduzo a história do japonês Shigeru Nakayama, exemplo de amor àquela região, que serve de inspiração a todos nós.  
 
 
AIRÃO VELHO é uma cidade em ruínas, nas margens do rio Negro, perdida na floresta amazônica. Nasceu em 1694 como Santo Elias do Jaú, primeira povoação daquela região ribeirinha, no atual Estado do Amazonas. Algumas décadas depois da fundação, os portugueses mudaram-lhe o nome para Airão Velho.
 
Cidades e vilas fantasmas não são propriamente raridades no Brasil. Não é por essa razão que Airão Velho virou notícia na Folha de São Paulo por esses dias*. Após o auge, durante o período do ciclo da borracha (final do século XIX, inícios do XX), foi gradativamente se esvaziando.

Na década de 1960, os últimos moradores partiram por falta de opção econômica e se estabeleceram a 100 km do local, na hoje Novo Airão, distante 120 km de Manaus.

O que restou da antiga cidade é cuidado pelo imigrante japonês Shigeru Nakayama, 65 anos, que vive ali sozinho num casebre há 13 anos.
 
Ele sobrevive da pesca e de uma horta que cultiva nas cercanias do rio Negro, sem nenhuma ajuda do Estado no trabalho de conservação. As ruínas e objetos que fizeram parte da vida da comunidade são poucos e Shigeru assumiu a missão de dar-lhes guarida, antes que desapareçam:
 
- Não quero abandonar isso aqui, tenho paixão por esse lugar, disse ele ao enviado especial da Folha, jornalista Lucas Reis.
 
A história do guardião remonta ao ano de 1964, quando desembarcou no Brasil, aos 16 anos, em Belém do Pará, com os pais e mais três irmãos. Vinham de Fukuoaka, no Japão. Um dia foi convidado por uma integrante da família Bezerra (importante em Airão Velho), ex-moradora, para cuidar das ruínas. Ele aceitou a tarefa e começou a recolher os remanescentes históricos, formando um pequeno museu em sua casa. Na época de finados, limpa o cemitério. A patroa morreu em 2012, mas ele continua firme, cuidando e preservando o lugar.
 
photo: Bruno Kelly (Folhapress)
 
Segundo Shigeru, o local é conhecido internacionalmente e recebe turistas, principalmente estrangeiros, além de pesquisadores. "Não restou quase nada, mas tem muita história", afirmou a Lucas.
 
Conforme a reportagem, sobraram poucas coisas: uma casa de comércio, uma residência, o cemitério, uma escola, restos da igreja construída em 1702.

O pedido de tombamento está sendo examinado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Tomara que a resposta não tarde e seja positiva.
 
A matéria da Folha, revelando o zelo do japonês em plena Floresta Amazônica, traz a idéia de que o mundo é quintal de todos, independente da nacionalidade e do lugar onde a pessoa resolve viver. Shigeru cuida daquele torrão brasileiro como se tivesse nascido lá. É uma relação de amor com a terra, com a memória dos que lá viveram, com a história da velha e extinta cidade.
 
Aquilo que para muitos seria motivo de insuportável solidão, para o imigrante é razão de realização e orgulho. Sua razão de viver. Tornou-se um filho da terra.
 
Esta história demonstra que o que vincula um indivíduo a um lugar é o sentimento e o compromisso que tem em relação a ele.

A ideia de pertencimento é coisa de coração e mente, não de papéis oficiais. São atitudes como a de Shigeru Nakayama que fazem a diferença entre a conservação e a destruição da Amazônia (e do próprio planeta).
 
______________
Folha de São Paulo, edição digital de 29/12/2013. Reportagem do enviado especial Lucas Reis com fotos de Bruno Kelly (Folhapress):
Texto  revisto, publicado em 02 de janeiro, 2014.