quarta-feira, 1 de abril de 2015

A bruma de que somos feitos

Jorge Adelar Finatto
 
photo: jfinatto
 

Nestes tempos de Quaresma, existem muitas razões para ter esperança na vida futura, já que é esta a mensagem que está inscrita, a sangue, na trajetória luminosa de Cristo.
 
A Ressurreição, no domingo de Páscoa, é a culminância do sentimento cristão, e universal, de uma vida melhor, infinitamente melhor, do que essa que vivemos no fundão chamado mundo.
 
Quando fui juiz na cidade de Rio Grande, lá nos idos de 1991, escolhi esta passagem bíblica, que muito me encanta e faz refletir, para inscrever em cerâmica: Porque sois uma bruma que aparece por um pouco de tempo e depois desaparece. Trata-se do trecho 4:14 da belíssima Carta de Tiago, irmão de Jesus. Após, fui a um ateliê perto do foro e fiz a encomenda.
 
O trabalho foi feito com talento por uma artista local, cujo nome está escrito na parte inferior à direita (meus óculos de fundo de garrafa não conseguem decifrar). Levei a peça para o meu gabinete.
 
O tempo passou como voam os pássaros.

Jurisdicionei depois em outras comarcas. Esta bela obra de arte (e do espírito) sempre me acompanhou e acompanha até hoje. Compartilho seu conteúdo.
 

2 comentários:

  1. "Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor." São Paulo aos Romanos 8: 38 e 39

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma linda passagem, Marina. Muito obrigado. Jorge

      Excluir