quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

O eremita viajante

Jorge Finatto

Monte Fuji. pintura de Katsushika Hokusai (1760 - 1849)

                   
                   imóvel contemplo a lua
                   e os outros pensam
                   que sou cego
                                        Matsuo Bashô ¹


NA TARDE-NOITE de chuva fina (o silêncio monta guarda em volta da casa), leio poemas de Matsuo Bashô (1644 -1694). Já nos primeiros haikais me vejo diante do Monte Fuji coberto de neve. Atravesso um riacho de pés descalços. Ouço o pássaro no ramo da cerejeira. Converso com uma borboleta. Encontro o amigo em meio à viagem por caminhos de chão batido.

Bashô adorava botar o pé na estrada, viajava em busca de lugares e encontros, hospedava-se na casa de quem o acolhesse. Vivia com simplicidade perto da natureza (seus discípulos construíram para ele uma cabana rústica onde morar, nas margens do Rio Sumida, e plantaram uma bananeira no pátio). Ele então adotou o nome da bananeira (bashô) como seu nome literário. Gostava de sentar-se sob suas folhas e sentir o vento e a chuva passando por elas.

Bashô era só e era muitos.

Por ocasião da partida de Sôha, que vivia na casa ao lado.

a casa do lado
ficará em silêncio
como um velho ninho ²

O grande poeta e viajante japonês nos leva ao umbral do mistério. Uma vez lá, deixa por nossa conta penetrá-lo ou abandoná-lo. A experiência para quem nele se aventura é tocante e plena de revelações.

Os versos de Bashô exercem fascínio pela aguda e original percepção do universo. As coisas são vistas como da primeira vez. Tudo é novo aos sentidos e ao pensamento. O mundo se revela ante o olhar inocente.

Este olhar inaugural volta-se para as coisas do dia a dia. Abre-nos a mente diante daquilo que por vezes parece corriqueiro e desinteressante. Isto é possível graças a uma linguagem que foge ao habitual e ao ruído, repleta de silêncios.

A poesia que Bashô nos legou é cativante e bela como um amanhecer. Simples nos seus motivos, tem alcance transcendente no coração do leitor. É um golpe de ar puro e fresco na alma ressequida. Uma excelente apresentação de sua obra encontramos no livro O eremita viajante.

Como era sua vontade, o poeta foi sepultado no mosteiro de Gichu-Ji, nas margens do Lago Biwa. Em sua sepultura foi plantada uma bananeira.

a minha pele
perderá o calor
e ficará fria ³
 
_________

1, 2, 3 - O eremita viajante (haikus - obra completa). Matsuo Bashô. Editora Assírio & Alvim. Organização e versão portuguesa por Joaquim M. Palma. Porto, Portugal, 2017.

2 comentários:

  1. Gosto muito de Basho e parece que vim aqui na hora h. Vinha especialmente para lhe desejar um bom Natal e o melhor para 2018 com este blog sempre em acção. Helena Monteiro

    ResponderExcluir
  2. Querida Helena. Desejo que tenhas um 2018 com muito boa saúde, muitos momentos de alegria, de bons trabalhos, de calma e de tempo para estar com aqueles que amas. E que sigamos adiante com esses contatos tão gratificantes!Um abraço. Jorge

    ResponderExcluir