quinta-feira, 15 de abril de 2010

O barbeiro de Fernando Pessoa

Jorge Adelar Finatto



Fernando Pessoa (1888-1935) habita um quarto do apartamento do primeiro andar, lado direito, do edifício nº 16 da Rua Coelho da Rocha, no bairro Campo de Ourique, em Lisboa.  Cuida da aparência e dos fatos (ternos), que compra de bons fornecedores, apesar das sérias dificuldades financeiras. O que ganha trabalhando para casas comerciais, como responsável pela correspondência em inglês e francês, é insuficiente. 

Costuma frequentar a Barbearia Seixas, quase na frente do edifício onde mora. Para lá se dirige seguidamente. Quando a única cadeira está ocupada por outro cliente, o poeta faz um discreto gesto, uma senha para o barbeiro Manassés. Este, tão logo se desocupa, dirige-se ao apartamento onde Fernando vive na companhia da irmã, do cunhado e da sobrinha. A visita de Manassés tanto pode ocorrer de dia como à noite.


A pequena sala abre a porta de madeira marrom sobre a calçada. Faz parte de um prédio antigo, castigado. Trata-se, hoje, de uma oficina de equipamentos de som. Nesse território perdido no tempo, encontro o senhor António Seixas, quase octogenário, que vem a ser o responsável técnico (ou será melhor dizer o alquimista?) do estabelecimento. É o filho de Manassés.*

No local exíguo, acumulam-se muitos aparelhos. Não existe uma ordem aparente. Mover-se, ali, requer estreitamento de ombros e movimentos de cintura. Coisa difícil.

Peço licença para entrar. António me recebe com um sorriso. Revela-se gentil no trato, tem excelente disposição física e boa memória.

Encantado pelos sons mágicos que brotam das caixas lumisosas, António Seixas não seguiu a profissão do pai, que ali se estabeleceu há mais de oitenta anos.

O menino António, com cinco, seis anos de idade, muitas vezes acompanhou Manassés até o quarto do Senhor Pessoa (assim refere-se ao poeta). Faço perguntas a respeito dessas incursões. António não é mesquinho nas respostas. Ao contrário, demonstra satisfação em recordar aquele tempo e a relação do pai com Pessoa.

Fernando mudou-se para a Rua Coelho da Rocha em 1920, tendo ele próprio alugado o imóvel. Cansado de perambular por quartos de aluguel e de parentes em Lisboa, fixa naquele apartamento e naquela rua o seu lugar de viver, o recanto de aconchego físico e emocional que lhe dará condições de desenvolver o trabalho literário num dos períodos mais produtivos.


Ali viveu com a mãe Maria Madalena e os irmãos, após o retorno destes de Pretória, na África do Sul, onde o padrasto João Miguel Roza morreu. (Fernando Pessoa viveu nove anos de sua infância em Durban, na colônia britânica da África do Sul, na qual o padrasto foi cônsul português.) Mais tarde, após a morte da mãe, foram morar naquele local a irmã  Henriqueta Madalena (Teca) e o cunhado, coronel Francisco Caetano Dias. A sobrinha Manuela nasceu nesse apartamento. Neste endereço, o poeta viveu até a morte em 1935.
 
Manassés, segundo António, era mais do que barbeiro do Senhor Pessoa, era também seu amigo e confidente.

Fernando os recebia e os levava até seu quarto. António Seixas recorda o forte cheiro de tabaco daquele lugar pequeno e pouco iluminado, que tinha apenas uma janela. A primeira providência de Manassés, enquanto conversava com o Senhor Pessoa, era limpar os cinzeiros cobertos de “beatas” (pontas de cigarros já fumados).

António lembra a mesa do quarto cheia de papéis, os livros apertados em duas estantes. Encostada na cama, a cortina da janela iluminada pela luz que vinha da rua. Observa que o Senhor Pessoa era um homem  reservado, educado, atencioso com o menino.

Aqueles que conviveram com o poeta dizem que ele era especialmente afável com os mais humildes. Pessoa ouvia com atenção o que lhe falava Manassés. Durante muitos anos o poeta comeu em restaurantes, bebeu e fumou muito, pouco dormiu. A morte com apenas 47 anos talvez tenha sido apressada pela vida que levou.

O edifício número 16 da Rua Coelho da Rocha abriga atualmente a Casa Fernando Pessoa. Concebida pela Câmara Municipal de Lisboa, foi inaugurada em 1993 e destina-se a preservar a memória do poeta. Encontra-se nela a biblioteca pessoal do escritor, com muitas anotações feitas por ele em diversos dos cerca de mil e duzentos volumes. Os livros tratam dos mais variados ramos do conhecimento. Entre objetos e documentos pessoais do autor, estão os óculos, canetas, máquina de escrever, fotografias, documentos e manuscritos, além dos poucos móveis que o acompanharam em vida. A famosa arca onde guardava seus escritos, que estava em poder da família, foi leiloada e está agora com um colecionador no norte de Portugal.**


O que mais impressiona na Casa é o quarto do poeta. Um espaço pequeno, humilde, um tanto sombrio.  Prova de que, para o verdadeiro criador, não existe lugar melhor ou pior para escrever. A arte muitas vezes floresce em lugares tristes e sem perspectiva, talvez até mesmo como reação do espírito à adversidade.

Os restos mortais de Pessoa repousam hoje no Mosteiro dos Jerônimos, no bairro de Belém, diante do Tejo. Em sua companhia, naquele lugar, está o não menos poeta Luís de Camões, além de Vasco da Gama.

Em meio à conversa, António Seixas me chama a atenção para um equipamento sonoro que ele mesmo inventou. Não existe nada melhor em matéria de som, segundo afirma. Liga o aparelho em alto volume, pergunta se já ouvi algo com esta qualidade. Não sei exatamente o que responder, mas o entusiasmo e a confiança do meu interlocutor são tamanhos que não tenho nenhuma dúvida a respeito do valor deste invento.

Despeço-me de António, agradecendo a sua generosidade por falar de suas lembranças do Senhor Pessoa.

Saio a andar pela rua que tantas vezes ouviu os passos do poeta. Um dos grandes gênios da literatura universal.

Vou até o restaurante da esquina. Tomo um caldo verde.


Mar Português


Fernando Pessoa

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!


Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

___________
Fotos: J. Finatto
Pela ordem: 1) Casa Fernando Pessoa, onde viveu o poeta; 2) oficina do Senhor António Seixas, onde funcionou a Barbearia de Manassés; 3) desenho de Pessoa numa das janelas do edifício; 4) grafite do poeta em rua do bairro Chiado, em Lisboa.
*Esse encontro ocorreu em 2.007.
** Ver comentário sobre a informação da arca.

8 comentários:

  1. Fernando Pessoa foi um dos mais cultuados poetas pela geração anos 50 e 60. Sua crítica de costumes acre, suas divagações filosóficas, seu niilismo, agradaram em cheio aos jovens brasileiros nos anos duros da "Redentora".
    Como bem dizes, a arte podem florescer, mesmo nos ambientes mais humildes.
    Pessoa viveu em uma época culturalmente rica e criativa, em meio a um Portugal atrasado, politicamente reacionário, sombrio.
    Vejo nestas incursões turísticas, teu talento jornalístico, como sensível repórter buscando nuances não oficiais dos fatos.
    No fundo Adelar, assim como Pessoa, somos vários. O poeta, o jornalista, o juiz, o fotógrafo. Vários heterônimos existenciais
    Excelente texto.
    Vou recomendar.

    Abraço.

    PS
    Eu fragmentado

    Fernando
    não era apenas um.

    Multiplicava-se
    em várias Pessoas.

    Ricardo Mainieri

    ResponderExcluir
  2. Recomendarei também.


    VIDRAÇA

    dividia-se o poeta
    em intermináveis buscas

    e tantos mares
    um poeta em sua vidraça

    Jade Dantas

    ResponderExcluir
  3. Nuno Hipólito, editor do site Um Fernando Pessoa, de Portugal, teve a gentileza de corrigir e atualizar a informação sobre a arca dos escritos de Fernando Pessoa. Segundo informa, a arca dos inéditos foi leiloada e está com um colecionador no norte de Portugal, já não está com a família, como escrevi no texto.

    Ao prezado Nuno o meu agradecimento pela visita, pelo comentário e pela valiosa colaboração. Já retifiquei.

    Escrevi sobre Um Fernando Pessoa no dia 22 de fevereiro passado. Naquele site encontramos informações preciosas sobre nosso grande poeta.

    JAF

    ResponderExcluir
  4. Caros Ricardo e Jade,


    muito obrigado pela visita e pelo interesse.

    Um grande abraço.

    JAF

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por sugerir-me esta leitura interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço a tua visita.
      Um abraço.

      Jorge

      Excluir