sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Trens suíços

Jorge Finatto
 
Castelo na cidade de Thun. photo: jfinatto, 08.02.19
 

Thun, Suíça - 09.02.2019 - Os trens suíços funcionam no horário. Os relógios suíços, dizem, são implacáveis com o atraso. Eu gosto de andar de trem e aqui na Suíça é o que mais faço (junto com outras coisas simples). É um lugar único no mundo. 
 
E gosto de relógios. Mas continuo com meu relógio comprado em 1995, no interior do Rio Grande do Sul, na cidade onde trabalhava. Em dinheiro de hoje deve ter custado por volta de 200 reais.  Deve estar valendo agora em torno de 20 ou 30 reais, se tanto. Mas não troco por nenhum outro.
 
Eu não viajo pra fazer compras. Claro, o dinheiro não dá pra isso. Mas se tivesse dinheiro, também não faria compras. Minto: compro livros e revistas em bancas de jornal e livrarias. Que me dão um trabalho enorme na hora de arrumar a mala para voltar. Essa é minha cachaça.
 
No mais é caminhar pelos lugares, conhecer, ouvir música, fotografar, tomar café, cheirar, ir a livrarias e lugares bons, como os Pastéis de Belém, a Livraria Cotovia, a Casa Fernando Pessoa e o Oceanário, em Lisboa, ou o Kunstmuseum de Zurique.
 
Viajar, estar em trânsito, tem o poder de pôr em suspenso as nossas preocupações. A sensação de movimento, de pé na estrada, e a descoberta de coisas novas e boas (algumas nem tanto) alimentam o espírito. Depois ficam as memórias.
 
Longe dos problemas e das correntes do cotidiano, podemos navegar pra fora do continente da angústia e dos medos. Um pouco que seja. E, com o descanso do excesso de realidade, podemos encontrar caminhos que antes pareciam inviáveis. Quem viaja abre o coração, não se mata nem pensa mal da vida. E o ser humano volta a parecer gente.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário